Você pode denunciar crimes de PRECONCEITO RELIGIOSO no Rio de Janeiro

Você sofre agressão, perseguição, coação ou qualquer ameaça por motivo religioso?

Denuncie através do site http://www.policiacivil.rj.gov.br na aba "DENÚNCIA"

Não é preciso se identificar!

A Constituição da República Federativa do Brasil determina, em seu Art. 5º, inciso VI: "É inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e suas liturgias"

Seja Cidadão, defendendo seus direitos! Denuncie crimes de preconceito religioso!

Você também é uma vítima da CORRUPÇÃO!
Lembre-se disso nas próximas eleições...

30 março 2012

A melhor homenagem em charge que vi...


MILLÔR E AS BOAS COMPANHIAS
Trovoadas de março
O Brasil perdeu, na última terça-feira, uma de suas vozes mais críticas e independentes. O brilhante, multitalentoso e bem-humorado Millôr Fernandes nos deixou, aos 88 anos.

Fica sua extensa obra de escritor, artista plástico, humorista, dramaturgo, cartunista, jornalista e homem antenado com o seu tempo. Seu humor inteligentíssimo nos fazia rir ao mesmo tempo em que denunciava, com acidez, as mais variadas falácias.

Fica a lição do "guru do Méier" de que é preciso sempre olhar para a realidade sob uma perspectiva crítica.

Quem dera tivéssemos todos essa mesma perspicácia. O estilo debochado de Millôr desnudava os políticos de sorrisos congelados e intenções inconfessáveis. Vai fazer muita falta, principalmente em ano de eleição, quando promessas vazias são potencializadas pelo marketing frio e calculado.

Cada vez mais, os que se acham espertos usam os mesmos truques já tão conhecidos, como se a sociedade cumprisse apenas um papel secundário de plateia. Pior, em um espetáculo em que os mágicos se contentam com truques amadores, os malabaristas nem ligam se muitos dos seus pratos se espatifam no chão e a maquiagem dos artistas se mostra borrada, revelando sua face nada engraçada.

É mais ou menos o que se vê agora no Congresso Nacional. Um projeto que acaba com a proteção das florestas do Brasil é apresentado como o "novo" Código Florestal.

Para diminuir o constrangimento, falou-se em deixar a votação para depois da conferência Rio+20, mas a sanha voraz da motosserra estabelece prazos e exigências.

O governo acata, afinal a governabilidade hoje se sustenta não em ideias ou projetos para o país, mas em interesses de partidos que, em grande parte, já se apresentam sem máscaras.
Entretanto, como bem escreveu Millôr certa vez, entre suas muitas frases brilhantemente sarcásticas, "tome nota, amigo: as aparências não enganam".

Chegamos ao Saara da política. Nesse deserto desolador, sobressai a beleza do gesto do operário e do sociólogo, que, por duas vezes, se visitaram em situações de grande dificuldade. Uma para fortalecer a luta pela democracia e a outra para trocar o abraço que, apesar das muitas divergências, não se priva da arte de dar e receber, da imprescindível dose de respeito e afeto que ajuda a produzir boas porções de bálsamo capaz de enfraquecer até a doença. De resto, tudo parece estéril e sem vida.

Perdemos, em um mesmo mês, a graça de Chico Anysio e de Millôr Fernandes. Já chega. Basta, março. Para com teus relâmpagos e trovoadas e manda logo tuas águas. Traz o outono da calma que anima o coração.
Marina Silva (Folha de S. Paulo, sexta-feira, 30 de março de 2012)


(extraído do SAITE do MILLÔR)

Nenhum comentário: