Você pode denunciar crimes de PRECONCEITO RELIGIOSO no Rio de Janeiro

Você sofre agressão, perseguição, coação ou qualquer ameaça por motivo religioso?

Denuncie através do site http://www.policiacivil.rj.gov.br na aba "DENÚNCIA"

Não é preciso se identificar!

A Constituição da República Federativa do Brasil determina, em seu Art. 5º, inciso VI: "É inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e suas liturgias"

Seja Cidadão, defendendo seus direitos! Denuncie crimes de preconceito religioso!

Você também é uma vítima da CORRUPÇÃO!
Lembre-se disso nas próximas eleições...

31 janeiro 2012

Uma forma de preconceito religioso...


O Art. 5º, inciso VI da Constituição brasileira é claro: "é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias"; Em algumas religiões, é parte do culto e da liturgia o sacrifício ritualístico de animais. Se couber alguma mudança na ritualística, na liturgia, no culto, ela deve ocorrer de acordo com os parâmetros da religião e não sob o tacão do Estado.
Na ilusão de que ao Estado cabe tutelar o cidadão, inclusive sua consciência, se propõe um projeto de lei para gerir o que uma religião pode ou não fazer. É um precedente perigoso para a democracia.
Pior é que algumas justificativas apresentadas para defender tal projeto são igualmente temerárias, ou por distorcer a realidade, ou por supor que sejamos néscios.
Uma delas é apresentada pelo próprio autor do projeto de lei, o deputado Feliciano filho (PV): "Matar sem anestesiar é maus tratos" (sic). Então, algo de errado ocorre nos abatedouros de bovino, suínos, ovinos e aves. Qual o tipo de anestesia que é dada aos animais abatidos? Choque elétrico? Ou será que consumimos alguma droga anestésica por tabela?
Um tal de advogado Lourenço diz outra tolice: "Nossa sociedade ainda tem a ideia de que animais são coisas. Nessa visão, o direito do homem é superior ao deles". Esse senhor não vê problema algum no comércio de cães e gatos, nas tosas artísticas de determinadas raças de cães, no uso de cães e gatos em competiçoes de "beleza animal", para uso policial ou de segurança, nem deve ser contra determinadas técnicas de adestramento. Realmente, nossa sociedade tem a idéia de que animais são coisas, pois eles continuam sendo vendidos, seja para companhia, seja para alimentação, seja para mero divertimento. Mas é mais fácil condenar o sacrífico ritual nas religiões, não é mesmo?
Outra barbaridade é afirmada, ora vejam, por um promotor de justiça! Diz o senhor João Marcos Adede y Castro, do Rio Grande do Sul: "Se fosse assim, era só criar uma religião de sequestradores e haveria respaldo legal". Esse senhor sofisma com tradições religiosas milenares, mesmo considerando as religiões afro-brasileiras, cuja boa parte da herança religiosa vem de antigas religiões africanas. Não se está falando da criação de uma religião nova que abrigue crime já tipificado, mas de tipificar como crime aquilo que faz parte do ritual de religiões tradicionais, pois não? E isso, caro senhor, é sim preconceito religioso.
A tal veterinária  Ingrid Eder, da ONG WSPA Brasil, ainda quer dar a entender que descobriu como comolocar o ôvo em pé: "Que cultura é essa que causa maus-tratos aos animais? A cultura evolui de acordo com o conhecimento. Hoje, sabemos que os animais sentem dor." Se essa senhora estudasse um pouco sobre culturas e religiões, descobriria que muitos séculos antes dela nascer, as tradições religiosas - e as pessoas! - já sabiam que animais também sentem dor, tanto que os sacrifícios ritualísticos almejam justamente o menor sofrimento possível aos animais.
Enquanto essas pessoas, vestindo a bandeira de um suposto "bem social", tentam suprimir conceitos religiosos que não entendem, o animal humano continua matando e sendo morto a cada esquina pela ação, direta ou indireta, de um traficante.
Essa gente não tem mais o que fazer, não?


Projeto de lei acende debate sobre direito animal
JULIANA VINES, DE SÃO PAULO
THIAGO FERNANDES, COLABORAÇÃO PARA A FOLHA


Um projeto de lei apresentado na Assembleia Legislativa de São Paulo quer proibir o uso e o sacrifício de animais em cultos religiosos no Estado.
Mesmo longe de ser votado, o projeto mobilizou religiosos e protecionistas. O debate contrapõe tradição cultural e direito animal e mostra furos na atual legislação.
Para o deputado Feliciano Filho (PV), o autor, ele não propõe nada além do que a lei prevê. "Só fixei multa para quem praticar o sacrifício, que já é proibido."
Ele se refere à Constituição e à Lei de Crimes Ambientais. Uma garante que os animais não sofram crueldade. Na outra, maus-tratos é crime. "Matar sem anestesiar é maus-tratos", argumenta.
Mas a Carta também garante liberdade de culto. O que viria primeiro?
"É um conflito. A legislação encampa valores da liberdade religiosa e do ambiente. Os dois lados podem ter razão", diz Daniel Lourenço, especialista em direito animal.
No Sul, uma lei de 2003 permite sacrifício de bichos em rituais de matriz africana. Em 2005, houve tentativa frustrada de derrubá-la.
Em São Paulo, a discussão mal começou e não envolve só as religiões africanas.


TRADIÇÃO DO SACRIFÍCIO
O sacrifício animal está na origem das maiores religiões do mundo. Historicamente, a morte dos animais era feita para expiação dos pecados ou em celebrações, explica o sociólogo Reginaldo Prandi.
Como religião institucionalizada, o cristianismo nunca adotou o sacrifício, mas teologicamente admite o seu significado. "Quando recebem a hóstia, os católicos fazem um sacrifício simulado. Para os cristãos, a morte de Jesus foi o último sacrifício."
No judaísmo, não é comum o sacrifício de animais, mas existe o abate kosher, que usa em larga escala técnicas próprias para matar o animal.
No abate kosher, assim como no halal (abate muçulmano), o animal é morto por degola e não é anestesiado.
A nova lei enquadraria toda morte de bicho feita sem insensibilização (anestesia).
Em 2010, o Brasil exportou 475,23 mil toneladas de carne para países que exigem abate halal ou kosher (39% do total exportado).
"O abate kosher não é um ritual. O ideal judaico é o vegetarianismo. Consumir carne é uma concessão a alguém de alma fraca", diz o rabino Ruben Sternschein, da Congregação Israelita Paulista. Segundo ele, o abate kosher "deve ser feito com o mínimo de sofrimento para o animal".
Já o abate halal de bois, aves e carneiros é um sacrifício religioso, diz Mohamed Hussein El Zoghbi, diretor da Federação das Associações Muçulmanas do Brasil.
"Mas prima pelo bem-estar como nenhum outro. A morte por degola não causa sofrimento. A ruptura das veias e da traqueia faz com que o animal morra rapidamente. Quem vê pensa que está sofrendo, mas já está morto, se debate por reflexo."
De acordo com o presidente do CEN (Coletivo de Entidades Negras), Márcio Alexandre Gualberto, o bicho morto no candomblé também é consumido -nada a ver com a imagem de feitiçaria e galinha em encruzilhada.
"Tem quem faça isso, mas não é nossa tradição. Usam partes da tradição para fazer coisas que não são nossas."
Segundo ele, o sacrifício é praticado por sacerdotes treinados para minimizar o sofrimento. "O animal não pode sofrer. Somos preocupados com o bem-estar dos animais oferecidos aos deuses."
São Paulo tem 719 terreiros, segundo levantamento de Prandi, para quem o projeto é preconceituoso: "As motivações da lei são o preconceito e a ignorância. Se o deputado estivesse preocupado com animais, deveria bater na porta de frigoríficos".
Para Antonio Carlos Arruda, coordenador de políticas públicas da Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania de SP, o projeto é "inaceitável". "Liberdade religiosa é princípio da democracia."
Uma reunião do Fórum Inter-Religioso da secretaria discutiu a participação de entidades do Estado no movimento de reação ao projeto. O slogan da campanha, que antes era "Não toquem nos nossos terreiros", foi ampliado para "Cultura de paz e liberdade religiosa já!".
Um ato público organizado pelo CEN está previsto para o dia 15, às 13h, em São Paulo, no vão do Masp.


LIMITE DA LIBERDADE
Do outro lado, os defensores dos animais consideram o projeto pertinente ao menos por levantar o debate. "Nossa sociedade ainda tem a ideia de que animais são coisas. Nessa visão, o direito do homem é superior ao deles", diz o advogado Lourenço.
O promotor de Justiça do Estado Laerte Fernando Levai diz que há limites morais para o exercício da liberdade religiosa. "Há que se respeitar o direito ao culto, sim, desde que as práticas não impliquem violência."
O promotor João Marcos Adede y Castro, do Rio Grande do Sul, reforça o coro: "Se fosse assim, era só criar uma religião de sequestradores e haveria respaldo legal".
O mesmo pensa a veterinária Ingrid Eder, da ONG WSPA Brasil. "Que cultura é essa que causa maus-tratos aos animais? A cultura evolui de acordo com o conhecimento. Hoje, sabemos que os animais sentem dor."
Reginaldo Prandi acredita que a evolução deve vir de dentro da religião. "Há segmentos do candomblé que não matam animais. Pode ser que, no futuro, a religião evolua para um sacrifício mais simbólico, mas isso não pode ser imposto. Não se muda uma religião por decreto."


Nenhum comentário: