Você pode denunciar crimes de PRECONCEITO RELIGIOSO no Rio de Janeiro

Você sofre agressão, perseguição, coação ou qualquer ameaça por motivo religioso?

Denuncie através do site http://www.policiacivil.rj.gov.br na aba "DENÚNCIA"

Não é preciso se identificar!

A Constituição da República Federativa do Brasil determina, em seu Art. 5º, inciso VI: "É inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e suas liturgias"

Seja Cidadão, defendendo seus direitos! Denuncie crimes de preconceito religioso!

Você também é uma vítima da CORRUPÇÃO!
Lembre-se disso nas próximas eleições...

01 setembro 2011

Tem parlamentar que precisa ser protegido do povo, ora vejam...

Vejamos o que dizem alguns dos representantes do eleitor, da sociedade, na Câmara do Deputados do Congresso Nacional.

O líder do PSDB, Duarte Nogueira (SP), defendeu o voto secreto, que, para ele, "preserva o direito do parlamentar de votar sobre um próprio par seu".
"No caso de cassação de mandato, você vai ter de tomar uma decisão que é suprimir o que há de mais importante para o parlamentar que é o mandato. No voto secreto, você preserva o direito do parlamentar de votar sobre um próprio par seu. Eu não defendo deixar voto aberto. Eu não fui convencido por isso", disse Nogueira.
Comentário do Velhinho: Um processo de cassação visa suprimir não um mero mandato parlamentar. Acima de tudo, visa suprimir da Casa Legislativa a falta de decoro e ética, a falta de probidade e de postura exemplar que DEVERIA TER qualquer parlamentar eleito. Não importa que o deslize, se é que pode assim se chamar, ocorreu antes ou durante o mandato. Comprovado o fato que macula, etica e moralmente, a imagem do parlamentar a questão que se impõe é a falta de decoro é aceita naquela casa do povo. Ora, ao defender o voto secreto para um assunto que importa à totalidade da população brasileira, o líder do PSDB não está protegendo o Legislativo nem própria imagem ou de seus pares. Essa explicação é uma forma elegante de dizer, como já disseram explicitamente, "eu quero que o eleitor se lixe"!

Henrique Eduardo Alves (RN), lider do PMDB, segunda maior bancada na Câmara, com 80 deputados,disse que não tem opinião formada e que precisa "pensar melhor sobre o assunto".
"Existem prós e contras nos dois casos, no voto aberto e no voto secreto. No voto aberto, você pode ser direcionado, às vezes pela orientação do partido, ou pressionado mesmo. Vou pensar mais sobre isso. Voto secreto muitas vezes é direito de parlamentar se proteger", defendeu.
Comentário do Velhinho: O líder do PMDB, deveria refletir sobre quem, na Câmara dos Deputados, protege os cidadãos, eleitores e contribuintes, daquele parlamentar indigno do mandato. A proteção natural de qualquer parlamentar é NÃO INCORRER em ato que fira o decoro parlamentar. Por certo que receber propina, antes ou depois de eleito para a Casa Legislativa não contribue para a probidade necessária ao cargo e função. O que há para pensar, caro senhor?

Para ACM Neto (BA), líder do DEM, há situações em que o voto secreto é "válido", mas, em processos de cassação, ele julga que não.
"No processo de cassação é diferente, porque o eleitor tem o direito de saber qual a posição do seu representante. A questão da cassação é questão interna, é julgamento político-jurídico. Então, entendo que, nesses casos, o voto pode ser aberto", afirmou.
Comentário do Velhinho: A rigor, o único voto secreto válido é o do cidadão, eleitor e contribuinte. Aos representantes do povo eleitos, para qualquer matéria caberia sempre o voto aberto, uma vez que o eleitor QUER SABER SIM, como vota seu parlamentar.

O líder do PT na Câmara, Paulo Teixeira (SP), disse que a questão não está consolidada dentro da bancada, mas que, como líder, defende o voto aberto em processos que julgam perda de mandato.
Teixeira afirmou que pretende apresentar um projeto a fim de transferir para a competência do Supremo Tribunal Federal (STF) o julgamento de processos de cassação como o de Jaqueline Roriz.
Comentário do Velhinho: O líder do PT não pode opinar pelos deputados de sua bancada, por óbvio. Bastaria o PT DETERMINAR aos seus deputados que defendam o voto aberto. Já seria grande coisa, pois não? Estaria de acordo com aquela bandeira, há muito esquecida, da moralidade na política. Quanto a sugestão da transferência de responsabilidade do processo de cassação de um deputado para o STF, é algo de uma bizzaria inacreditável! Essa proposta subverte a base de nossa democracia que é a INDEPENDÊNCIA entre os Três Poderes. Tenha dó, Deputado! Há que assumir sua responsabilidade: cassar aquele(a) que quebrar o decoro parlamentar e, em havendo crime comprovado, acionar a Justiça que, se for o caso, chegará naturalmente e pelas vias legais ao STF. SEM PRECISAR DESVIRTUAR A ORDEM DEMOCRÁTICA!

O também petista Cândido Vaccarezza (SP), líder do governo na Câmara, por exemplo, se disse "radicalmente contra" o voto aberto em processos de cassação.
Comentário do Velhinho: A explicação desse senhor está em outra matéria do G1: "Não serão meus eleitores que irão me pressionar, você não tem controle. Se fossem, eu acho correto. Mas serão aqueles que poderão ter mais acesso ao debate na sociedade".
Pleclaro (?) Deputado, não só os seus eleitores devem lhe pressionar, como toda a, como dizem, sociedade organizada! O senhor não representa meramente os interesses de seu partido, mas de todos os cidadãos, no mínimo, do Estado que representa. Vergonhosa sua explicação.

Líderes do PPS, Rubens Bueno (PR), do PR, Lincoln Portela (MG), e do PDT, Giovanni Queiroz defenderam o voto aberto como forma de garantir transparência para a Casa. Para Portela, o fim do sigilo expõe o parlamentar a pressões, mas o parlamentar deve prestar contas ao eleitor.
"Concordo que deixa o político mais vulnerável, mas é um risco que a gente corre. Somos representantes do povo e há apelo para que o voto seja aberto", afirmou Portela.
O líder do PP, Aguinaldo Ribeiro (PB), afirmou ser favorável ao voto aberto em processos de cassação, como o de Jaqueline Roriz, mas afirmou que a questão não foi discutida com a bancada.
O líder do PDT, Giovanni Queiroz (PA), disse ser contra o voto secreto. Segundo ele, "a opinião e o voto do deputado devem ser expostos. O eleitor tem o direito de saber como o seu representante vota".
O líder do PRB, Vitor Paulo (RJ), disse que o partido só terá posição definida sobre o voto secreto na próxima semana.
Comentário do Velhinho: quanto tempo existe o partido desse senhor? Há um mês? Ainda não tem uma posição formada? Estarrecedor!

O representante da bancada do PSL, Dr. Grilo (MG), disse ser favorável ao voto secreto para que o parlamentar seja "protegido do julgamento popular".
Comentário do Velhinho: Como assim, caro senhor? A população não pode lhe julgar como homem PÚBLICO? E quem protege a população de um parlamentar que quebra o decoro, sem ética e probidade para exercer o mandato de Deputado Federal?

Por essas e muitas outras que digo não me envergonhar de ser brasileiro, mas me envergonho de muitos políticos que por aí estão!

Nenhum comentário: