Você pode denunciar crimes de PRECONCEITO RELIGIOSO no Rio de Janeiro

Você sofre agressão, perseguição, coação ou qualquer ameaça por motivo religioso?

Denuncie através do site http://www.policiacivil.rj.gov.br na aba "DENÚNCIA"

Não é preciso se identificar!

A Constituição da República Federativa do Brasil determina, em seu Art. 5º, inciso VI: "É inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e suas liturgias"

Seja Cidadão, defendendo seus direitos! Denuncie crimes de preconceito religioso!

Você também é uma vítima da CORRUPÇÃO!
Lembre-se disso nas próximas eleições...

05 março 2011

Perguntar não ofende... PIB
O produto interno bruto (PIB) representa a soma (em valores monetários) de todos os bens e serviços finais produzidos numa determinada região (quer seja, países, estados, cidades), durante um período determinado (mês, trimestre, ano, etc). O PIB é um dos indicadores mais utilizados na macroeconomia com o objetivo de mensurar a atividade econômica de uma região. (Fonte: Wikipédia - http://pt.wikipedia.org/wiki/Produto_interno_bruto)


IBGE - Conta Satélite Saúde
Considerações finais

Em 2007, a despesa de consumo das famílias com bens e serviços de saúde chegou a R$ 128,9 bilhões (4,8% do PIB).
A despesa da administração pública com
esses bens e serviços foi de R$ 93,4, bilhões (3,5% do PIB).
Instituições sem fins de
lucro a serviço das famílias gastaram R$ 2,3 bilhões (0,1% do PIB). Assim, o consumo de bens e serviços de saúde nesse ano representou 8,4% do PIB.
A despesa das famílias com o consumo com bens e serviços de saúde teve um crescimento real de 3,7% em 2006 e de 4,6% em 2007.
A despesa do governo com
esses bens e serviços cresceu 7,4% e 5,8%, respectivamente.
O valor adicionado, a renda gerada pelas atividades de saúde, foi de R$ 137,9
bilhões, ou 6,0% do valor adicionado total da economia em 2007.
Essa participação
no valor adicionado total foi maior que a de 2005 (5,5%).
(Fonte: IBGE, Conta Satélite Saúde Brasil - http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/economia_saude/css_2005_2007/economia_saude.pdf)
Perguntas de um Velhinho que não entende economês:
1) Num país onde a carga tributária é muito alta, quando a despesa de consumo
com bens e serviços de saúde de famílias é maior que a despesa da administração pública, isso não significa que o sistema de Saúde Pública é precário?
2) Se as famílias gastam mais em bens e serviços de saúde quando está doente (com má saúde), o aumento desses gastos não significa uma piora da condição de Saúde Pública?
3) É de se comemorar um PIB alto, quando dos 8,4% no item Saúde, somente 3,5% são referentes a despesas do Governo nessa área?
4) Considerando que o Governo recupera em tributos parte do que as famílias gastam em bens e serviços de saúde, não dev
eria ser abatida a percentagem correspondente ao retorno de capital, via tributos, das depesas realizadas pelo Governo nesse segmento? Afinal de contas, essas despesas são pagas com tributos, ou não?
5) É correto dizer que o Governo faria um real investimento em Saúde Pública se suas despesas totalizassem 8,03% do PIB (ao invés de apenas 3,5%) e as famílias não tivessem que desembolsar um único centavo de real?

6) Como que aumento de despesas em Saúde pode significar MELHORIA da Saúde Pública???

Nenhum comentário: