Você pode denunciar crimes de PRECONCEITO RELIGIOSO no Rio de Janeiro

Você sofre agressão, perseguição, coação ou qualquer ameaça por motivo religioso?

Denuncie através do site http://www.policiacivil.rj.gov.br na aba "DENÚNCIA"

Não é preciso se identificar!

A Constituição da República Federativa do Brasil determina, em seu Art. 5º, inciso VI: "É inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e suas liturgias"

Seja Cidadão, defendendo seus direitos! Denuncie crimes de preconceito religioso!

Você também é uma vítima da CORRUPÇÃO!
Lembre-se disso nas próximas eleições...

09 maio 2009

Sobre lupanares e abajures da luz vermelha...Dizer que as casas legislativas do Brasil, do Congresso à mais mísera Câmara de Vereadores, se transformaram em alcoceifa pode ferir a honra, o decoro, a ilibada moral, a imagem exterior de decência de alguns poucos políticos.
Provavelmente todos se mostrarão, hipocritamente, indignados nas tribunas, palanques e aos holofotes da imprensa - a Geni de todo o sempre.
"Injustiça!", clamarão,mas sem uma nesga de razão.
Ocorre que a participação ativa ou passiva na lida do alcouce abrange a classe política e boa parte da população.
Afinal de contas, o meretrício principia através do voto ignorante, iludido, muitas vezes vendido e comprado por um naco de fumo de rolo, um saco de farinha, uma garrafa de canjebrina, um circo mambembe no coreto da praça e uma promessa num santinho.
O açougue político está aberto 24 horas por dia, expondo a carne de vacas com o preço que cada um pode pagar. Preço que se paga.Desde do músculo ao filé mignon, de tripas a coração, do mocotó ao rabicó, tudo é exposto ao cliente nas escadas, salas e jardins desse bordel chamado política.
Como nos castelos de antanho, faz-se o moralmente condenável através de roupagens coloridas e diáfanas com que se cria a ilusão de legalidade.Se locupletam cáftens e caftinas pelos conventilhos consagrados, meretrículas e cortesãs se formam e se conformam, clientes se espojam nos covis de prazeres rápidos e proliferam as sífilis sociais, contaminando a vontade da população que finge nada ver - embora conheça muito bem os liceus de perversão.
Essa conivência e conformismo entorpecente minimiza o cidadão, a sociedade perde valores e referência, o país se transforma em puteiro. E todos sabem: em puteiro reinam os imperadores e imperatrizes da putaria, onde a imoralidade não importa no randevu diário.
Parece que se vive para o serralho e qualquer político, se questionado, pode dizer - de boca cheia - da merda ao caralho, ou até o "sifu" do alto mandatário.
Há quem, talvez doentia, mas prazerosamente, pague pelo porneu iluminado com archotes e se satisfaça com o chamariz voluptuoso: "Vem cá, meu bem, vem!"
É. São muitas as casas de tolerância na pornéia nacional.

Um comentário:

Fã nº 1 disse...

Senhor Velhinho,
Poderia ser apenas um texto chocante...infelizmente porém, a realidade nele refletida é mais assustadora.
Fã nº 1