Você pode denunciar crimes de PRECONCEITO RELIGIOSO no Rio de Janeiro

Você sofre agressão, perseguição, coação ou qualquer ameaça por motivo religioso?

Denuncie através do site http://www.policiacivil.rj.gov.br na aba "DENÚNCIA"

Não é preciso se identificar!

A Constituição da República Federativa do Brasil determina, em seu Art. 5º, inciso VI: "É inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e suas liturgias"

Seja Cidadão, defendendo seus direitos! Denuncie crimes de preconceito religioso!

Você também é uma vítima da CORRUPÇÃO!
Lembre-se disso nas próximas eleições...

12 maio 2009

Olha a tungada, gente!O ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, Paulo Bernardo, fez a seguinte afirmação nesta terça-feira:
"Não queremos que o George Soros, que já se autointitulou um especulador, abra uma poupança de US$ 20 milhões no Brasil e diga: agora estou com meu dinheiro protegido no Brasil".
A fala foi usada para explicar a intenção do Governo de evitar que especuladores, como o citado Soros, façam aplicações de vulto na Caderneta de Poupança.

Comentário do Velhinho:
A solução seria simples, senhor ministro. Basta criar uma regra que impeça, a partir de agora, depósitos mensais acima de, por exemplo, R$ 500.000,00.

Não existiria a necessidade de taxar com imposto de renda os poupadores que já tem depósito com mais de, por exemplo, míseros (se comparados com os milhões de dólares do exemplo do ministro) R$ 5.000,00.
Existe outra vantagem nessa decisão. Cadernetas de Poupança tem histórico, portanto podem ser facilmente rastreadas pela receita para investigação de possíveis investimentos milionários escusos.
Existe muitas maneiras de se tirar a pele de um lobo, mas uma só de tirar o couro do contribuinte: os tributos!
Pelo andar da carruagem, tudo indica que os lobos continuarão com suas próprias peles e as das ovelhas. Já o contribuinte, em especial o da classe média, mais uma vez será esfolado.

Nenhum comentário: