Você pode denunciar crimes de PRECONCEITO RELIGIOSO no Rio de Janeiro

Você sofre agressão, perseguição, coação ou qualquer ameaça por motivo religioso?

Denuncie através do site http://www.policiacivil.rj.gov.br na aba "DENÚNCIA"

Não é preciso se identificar!

A Constituição da República Federativa do Brasil determina, em seu Art. 5º, inciso VI: "É inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e suas liturgias"

Seja Cidadão, defendendo seus direitos! Denuncie crimes de preconceito religioso!

Você também é uma vítima da CORRUPÇÃO!
Lembre-se disso nas próximas eleições...

23 abril 2009

A solução é simples, senhor deputado Silvio Costa...
A matéria parece piada de muito mau gosto e está no site do G1, transcrita com grifos nossos:
Deputado diz que vai recorrer de decisão que proíbe passagens para parentes
Mesa Diretora restringiu passagens aos parlamentares.
'Assim vocês querem que eu me separe', disse Sílvio Costa (PMN-PE).
Eduardo Bresciani Do G1, em Brasília
O deputado Sílvio Costa (PMN-PE) levou ao plenário da Câmara nesta quarta-feira (22) a indignação de alguns parlamentares com a decisão da Mesa Diretora de que as passagens aéreas não podem ser repassadas a parentes. Costa afirmou que irá recorrer da decisão.
Ele afirma que os parlamentares casados não podem ficar a semana em Brasília sem a família. “Não é justo que as mulheres e os filhos dos parlamentares não possam vir a Brasília. É preciso acabar com o teatro da hipocrisia. Quer dizer que agora eu venho para Brasília e minha mulher fica lá? Assim vocês querem que eu me separe. Esta decisão não é correta. É uma decisão acuada."
Costa disse concordar com a restrição de passagens para voos internacionais, mas defendeu que os deputados possam trazer com dinheiro público para a capital federal os parentes mais próximos. “Quando eu fiz campanha, meus eleitores já sabiam que eu era casado”, disse.
O deputado disse ainda que deve ser permitida a cessão de passagens para assessores. Ele argumentou que muitas vezes assessores dos estados podem ajudar em projetos na capital e vice-versa. “Ou este parlamento tem a coragem de falar a verdade para a opinião publica ou a cada dia a gente vai apanhar mais."
O discurso foi muito aplaudido em plenário pelos cerca de cem deputados presentes no momento. Outros foram ao microfone rapidamente para manifestar concordância com Costa. O presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), afirmou que se o recurso for regimental trará o tema para votação em plenário.
Comentário do Velhinho: Simples, senhor deputado Sílvio Costa. Os seus eleitores votaram no senhor e não em sua esposa. Diferente, por exemplo, da primeira dama, sua esposa NÃO EXERCE ATIVIDADE PARLAMENTAR, simplesmente porque NÃO FOI ELEITA e não existe PRIMEIRA DAMA DE PARLAMENTAR!
Se o senhor acha que a sua família e excelentíssima esposa são mais importantes que seu trabalho legislativo, que o senhor estar trabalhando para o Brasil e sua população - muito bem pago, diga-se de passagem - a solução é simples: Não jogue seu casamento no lixo! Renuncie ao mandato de deputado e vá cuidar - com o suor de seu rosto - dos seus entes queridos! Outra opção, preclaro deputado, é que o senhor pague as passagens aéreas e hospedagem de sua esposa e demais familiares!
O Cidadão, Eleitor e Contribuinte NÃO TEM DE SUSTENTAR SUA ESPOSA E PROLE, além do subsídio que o senhor recebe, a título de salário, como deputado!
Com certeza o senhor é pessoa de recursos intelectuais e laborais para se engajar em qualquer profissão decente, além do mandato de deputado, pois não?

2 comentários:

Anônimo disse...

Apolitica está errada nós votamos elegendo deveriamos de votar para cassar,pois o povo que paga os salários,nos o povo somos os patroese deveriamos estipular o salario e o horario de trabalho,só assimacabaria com essa pouca vergonha.

Velhinho Rabugento disse...

Caro anônimo,
Entendo seu comentário, porém discordo. A política não está errada; políticos é que estão.
Ao votarmos, elegemos REPRESENTANTES e podemos acertar ou errar na escolha do candidato. Existem regras democráticas, mas devemos também cobrar, constantemente, a quem elegemos. Constantemente escrevo e-mails para senadores, deputados, vereadores; tento estimular formas de pressão através da manifestação pública e legal. Sinto falta dos "cara-pintadas" que, parece, se aboletaram nas tetas governamentais. Não temos o poder de cassar diretamente, mas sim de pressionar que os pares do indigitado senador ou deputado ou vereador ajam nesse sentido, ou que o próprio venha a renunciar.
Existem formas de participação, mas a verdade é que pouco as utilizamos, muitas vezes optando por seguir a manada ou um pai da pátria que se faz de condutor.
Nos falta é mobilização. Simples assim.
Abração