Você pode denunciar crimes de PRECONCEITO RELIGIOSO no Rio de Janeiro

Você sofre agressão, perseguição, coação ou qualquer ameaça por motivo religioso?

Denuncie através do site http://www.policiacivil.rj.gov.br na aba "DENÚNCIA"

Não é preciso se identificar!

A Constituição da República Federativa do Brasil determina, em seu Art. 5º, inciso VI: "É inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e suas liturgias"

Seja Cidadão, defendendo seus direitos! Denuncie crimes de preconceito religioso!

Você também é uma vítima da CORRUPÇÃO!
Lembre-se disso nas próximas eleições...

13 abril 2009

Larga do meu bolso, mané! Agora o Governo vai querer estabelecer os limites entre ricos e pobres através dos depósitos em caderneta de poupança.
O critério proposto é o de que quem tem saldo a partir de 100 mil reais, é rico e merece pagar tributo.

A classe média - que cada vez mais se tornar mérdia - nunca foi e nem vai ao Paraiso (so se for o bairro de São Paulo!), mas é condenada a viver no inferno tributário por POUPAR!!!
Vamos combinar um coisa: quem consegue poupar na caderneta de poupança 1 milhão de reais, já poderia ser considerado um pouco - só um pouco - rico.
Como burlar essa nova Medida Provisória que vem por aí? Manter 2, 3 ou 4 cadernetas de poupança entre membros da mesma família que façam declaração de renda em separado.

Qual é a do Governo? Além de limitar o rendimento da caderneta de poupança ao mínimo, agora vai proibir que se poupe?
Ora, isso vai favorecer o mercado de ouro e diamante, tal e qual na Segunda Guerra quando se fugia do Nazismo!
A Matéria está na Folha online:
Governo estuda tributar poupança com saldo maior
TONI SCIARRETTA da Folha de S.Paulo
O governo está disposto a tributar o rendimento da poupança para grandes aplicadores e "diluir" a TR (Taxa Referencial) para reduzir os ganhos da caderneta, que começam a ficar mais interessantes do que o dos fundos de investimento.
O limite estudado para iniciar a tributação é de R$ 100 mil, mas o valor sofre oposição dentro do próprio governo e poderá ser elevado.
A mudança deve sair por meio de medida provisória nos próximos dias.
O governo, no entanto, teme que ela seja barrada no Congresso, como aconteceu com a CPMF.
Se for confirmada, será a primeira intervenção na caderneta desde o confisco da poupança promovido pelo Plano Collor, em março de 1990.
O objetivo do governo, ao promover as mudanças, é evitar que haja a migração de aplicações de fundos de investimento, que ajudam no financiamento da dívida pública, para a caderneta de poupança.

Nenhum comentário: