Você pode denunciar crimes de PRECONCEITO RELIGIOSO no Rio de Janeiro

Você sofre agressão, perseguição, coação ou qualquer ameaça por motivo religioso?

Denuncie através do site http://www.policiacivil.rj.gov.br na aba "DENÚNCIA"

Não é preciso se identificar!

A Constituição da República Federativa do Brasil determina, em seu Art. 5º, inciso VI: "É inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e suas liturgias"

Seja Cidadão, defendendo seus direitos! Denuncie crimes de preconceito religioso!

Você também é uma vítima da CORRUPÇÃO!
Lembre-se disso nas próximas eleições...

31 julho 2007

E enquanto isso, uma vaia sempre é recomendável...
Sem cansaço, por favor! O lema pode ser este: Lula, assuma e suma!

30 julho 2007

Um dia sem voar...
Por indicação de Nariz Gelado, o Velhinho colabora na divulgação, embora faça muitos anos que não põe os pés a bordo de um avião. É uma forma de mostrar para empresas aéreas e responsáveis pelo governo a indignação perante tragédias, caos aéreos e descaso dado para a população. Para acessar o site, clique na figura.
Pois é, né...
O comissariado do prof. Lulamundo...
Velhinho´s Believe it or not...(27)
Parodiando a marca registrada de Robert Rypley, o Velhinho começará a destacar frases, senão fantásticas, ao menos um tanto surreais.
Marco Aurélio Garcia (aquele do top-top-top), assessor especial da Presidência da República durante entrevista no “Canal Livre” da TV Bandeirantes: "Foi uma reação de desabafo, de indignação contra essa tentativa de instrumentalizar a tragédia contra quem não tem culpa. Nego peremptoriamente que estivesse festejando seja lá o que for, mas me manifestando em caráter privado contra o que vinha se fazendo". "Foi uma reação grosseira que nunca teria feito em público. Se alguém se sensibilizou entendendo esse gesto de outro modo, peço desculpas. Peço perdão".
Comentário do Velhinho: Eis um mestre da dialética petista. Nega, justifica, não assume a responsabilidade, preferindo transferir a outros e desculpa-se com um condicional "SE".
Esse senhor acredita que estão imputando culpa ao governo, quando se atribui responsabilidade. Fica a impressão que a especialidade da casa seja lidar com culpas. Apontar o dedo acusatório, como sempre o PT fez com seus adversários, para atribuir culpa real ou fictícia. Ao virar vidraça, não admite nem que se insinue responsabilidade. Belo assessor esse. A apoteose do desempenho está na relutância em que tenta se desculpar por um ato feito em público, uma vez que no Palácio do Planalto e não no recôndito de seu lar ou de sua privada. Aplica um condicional. "Se alguém...". Como se todos que viram a cena devessem saber o que se passa por sua cabeça privilegiada e concordar em uníssono. Ato falho, pois não?
Marco Aurélio Garcia (aquele do top-top-top), assessor especial da Presidência da República durante entrevista no “Canal Livre” da TV Bandeirantes: "Não posso aceitar a tese de que a responsabilidade dos dois acidentes, a menos que venham elementos de comprovação, e até agora não há nenhum elemento, esteja concretamente ligada àquilo que se chamou de caos aéreo. O caos aéreo existia, evidentemente, mas ele foi em vários momentos de responsabilidade das companhias".
Comentário do Velhinho: De novo, a responsabilidade não tem nada a ver com o governo, mas sim, "em vários momentos", das companhias. Como se ANAC, Infraero, Ministério da Defesa e o Executivo nada tivessem a ver com essa estória. A questão não é o que esse assessor aceita ou não, mas o que a população percebe. Só ele não se dá conta disso.
Marco Aurélio Garcia (aquele do top-top-top), assessor especial da Presidência da República durante entrevista no “Canal Livre” da TV Bandeirantes: "O acidente da Gol catalisou toda uma série de outros problemas que estavam ocorrendo, não com intensidade, mas que passaram a ocorrer com intensidade".
Comentário do Velhinho: Pois é. A responsabilidade foi do acidente, um "catalizador". E se não houvesse um acidente, os "outros problemas" seriam saneados ou continuariam ocorrendo? E quais seriam esses "outros problemas" e o que se estava fazendo para saneá-los? Nenhuma palavra a respeito. A responsabilidade é apenas do "catalizador".
Marco Aurélio Garcia (aquele do top-top-top), assessor especial da Presidência da República durante entrevista no “Canal Livre” da TV Bandeirantes: "Havia mais de uma cabeça operando porque nós tínhamos a Infraero se ocupando dos aeroportos, o Ministério da Defesa mais ligado com as questões de segurança de vôos e a Anac dedicada mais à questão da regulação".
Comentário do Velhinho: Ué? Mas essas não são as atribuições desses órgãos? Ou se acaba com a ANAC e a Infraero e se centraliza apenas no Ministério da Defesa, ou se acaba com o Ministério da Defesa e retorna ao que era antes. Essa fala apenas reforça a fuga de responsabilidade. Podem haver várias cabeças pensando e operando de forma harmônica ou não. Questão de competência. Competência que escasseia nesse governo, já em seu SEGUNDO mandato.
Por outra, esse assessor informou haver colocado o cargo à disposição. Se quisesse assumir sua responsabilidade, faria uma carta entregando o cargo, em caráter irrevogável.
Mas eles sabem o que é ser responsável? Sabem, não...

29 julho 2007

Bric-a-brac palaciano...(2)
Bric-a-brac palaciano...(1)
Cadê o fósforo?
Velhinho´s Believe it or not...(26)
Parodiando a marca registrada de Robert Rypley, o Velhinho começará a destacar frases, senão fantásticas, ao menos um tanto surreais.
Milton Zuanazzi, presidente da ANAC, em entrevista ao jornal O Globo de 29/07/07: "Renunciar nesta hora é um ato de covardia. Covardia com o povo brasileiro porque nós, mais do que ninguém, somos sabedores das soluções que podemos ter para o problema aéreo e também por estarmos entregando a alguém que não tenha essas soluções. É um ato de covardia com a gente mesmo. Eu não sou covarde comigo e não serei com o povo brasileiro. Não sou apegado a cargos, e o que me mantém na Anac não é esse apego, mas a responsabilidade. Seria irresponsabilidade eu simplesmente virar as costas e ir embora, na hora em que o país mais precisa de mim e do nosso trabalho".
Comentário do Velhinho: Caro senhor, por acaso estaria parodiando o senado Renan Calheiros, aquele em cujo dicionário não existe a palavra renúncia? Sua atitude em não renunciar é covarde. Se o senhor e sua equipe são sabedores das soluções, por que não as colocaram em prática? Falta de tempo ou competência? Não é irresponsabilidade o senhor virar as costas e ir embora, por que o País não precisa mais do senhor. O País precisa de pessoas competentes e de caráter, que façam a diferença. Nessa sua gestão, caro senhor, pode-se apontar as grandiosas colaborações e soluções dadas pela ANAC e seus dirigentes para os problemas que afligem o setor? Ao menos as que justificariam as medalhas equivocadas que receberam? Qual é a sua especialidade mesmo? Vender passagens aéreas? Tenha dó...
Para quem tiver estômago, a íntegra dessa entrevista está aqui.

28 julho 2007

Lembrando Dali para não esquecer aqui...Salvador Dali, A persistência da memória - 1931



27 julho 2007

Ô da boiada! Não pense que esquecemos...(6)
Missão impossível... (ou, comigo não, violão!)
Velhinho´s Believe it or not...(25)
Parodiando a marca registrada de Robert Rypley, o Velhinho começará a destacar frases, senão fantásticas, ao menos um tanto surreais.
Dilma Roussef, ministra-chefe da Casa Civil, sobre as vaias ao presidente Lula em Aracaju (SE), João Pessoa (PB) e Natal (RN): "Não vejo mistério nenhum na vaia ou no aplauso. Toda a unanimidade é burra - e é bom que as pessoas possam se expressar"(...)"Mas é bom que se diga que fomos vaiados por pequenos grupos, enquanto milhares nos aplaudiam".
Fonte: Estadão online.
Foto: Radiobras.
Comentário do Velhinho: Mas não é nada burra a tentativa de manter a unanimidade, impedindo potenciais manifestantes de participar dos eventos do presidente. Depois do Maracanã, pelo jeito, as aparições agora se darão sempre com convites especiais para a claque. Uma maneira de diminuir as vaias é seguir o conselho do novo ministro da Defesa: Aja ou Saia. Ou o do Velhinho: Assuma e Suma. Bem... considerando que se está num SEGUNDO mandato...

26 julho 2007

Ô da boiada! Não pense que esquecemos...(5)
Feliz Ano Novo, para quem mesmo?
Com todo respeito ao Rio Grande do Sul e ao deputado Mendes Ribeiro Junior, esse projeto de Lei é uma piada de mau gosto.
Temos um sistema de judiciário atravancado de processos que se arrastam por anos, às vezes décadas, sem que sejam transitado em julgado. Falta a esse sistema juízes, técnicos judiciários e infra-estrutura.
Os magistrados já tem, para seu devido descanso 164 dias num ano de 365.
Precisam de mais? Só pode ser brincadeira, um deputado perde tempo e dinheiro público para aprovar um projeto de Lei que não colabora para a agilização dos processos em juízo.
Não existem cvoisas mais importantes PARA O POVO a se pleitear? Ou será que ao povo basta a aprovação dos tributos?
E durma-se com um zurro desse...
Feliz ano novo
Projeto de lei cria feriado forense de fim de ano
por Maria Fernanda Erdelyi
Aguarda votação no plenário do Senado Federal um projeto de lei que aumentará ainda mais os dias de descanso dos juízes brasileiros. A proposta, de iniciativa do advogado Marco Antonio Birnfeld juntamente com o deputado Mendes Ribeiro Júnior (PMDB-RS) e apoiada pela Ordem dos Advogados do Brasil, prevê o chamado “feriado forense”, compreendido entre o dia 20 de dezembro e 6 de janeiro para a Justiça Estadual. Aprovado no Senado, o projeto vai para sanção.
Neste ano, a legislação brasileira assegura aos magistrados brasileiros 164 dias de folga, considerando férias, finais de semana, além dos feriados e suas emendas. Se o projeto vira lei, os dias de descanso sobem para 178. Com isso serão 187 dias trabalhados, 42 a menos que o Poder Executivo, por exemplo, que tem 30 dias de férias ao ano, goza dos mesmos feriados que o cidadão comum, além do descanso semanal remunerado de lei.
Leia mais aqui.
Não é bem assim, não é, Bira?
Culpa, ou é atribuída pela Justiça, ou é aquele sentimento inerente à consciência cristã. No caso de Lula, acerca do acidente lá nos EUA, nem há culpa, nem responsabilidade.
Já no caso do caos aéreo e dos aeroportos, da fiscalização das empresas aéreas e de outras cositas mais relativos à governança, pode - ainda - não haver culpa.
Porém, não se pode dizer que não há responsabilidade.
A mesma responsabilidade que o atual presidente da República costuma atribuir para a tal "elite", sem cara e sem nome.

Depois dizem que a imprensa é reacionária e vendida...
Existe os dois lados da moeda.
O Velhinho pergunta: Estão rindo de que ou de quem?
As fotos são da posse do novo ministro da Defesa, Nelson Jobim, e estão na 1ª Página do jornal O Globo de hoje (26/07). Não fosse a substituição tardia, nem os acidentes da GOL e da TAM com suas vítimas e a dor de familiares, nem as panes do CINDACTA, nem o caos que impera no sistema aéreo da aviação civil e aeroportos, não fosse tudo isso, talvez houvesse algum motivo para comemorações e frouxos de riso.
Pouco mais de uma semana de uma tragédia que abalou não só São Paulo, mas o País, essas risadas chocam pelo surrealismo, como se nada de grave estivesse acontecendo.
É preciso saber do que ou de quem essas pessoas se riem.
Qual a grande piada?







25 julho 2007

Ô da boiada! Não pense que esquecemos...(4)
Motivo da saída de Pires: Teflon com data vencida...
Velhinho´s Believe it or not...(24) Combo "nunca antes neztepaiz"
Parodiando a marca registrada de Robert Rypley, o Velhinho começará a destacar frases, senão fantásticas, ao menos um tanto surreais.

Presidente Lula, durante a posse do novo ministro da Defesa, Nelson Jobim: "Digo categoricamente que é preciso repensar neste país o Ministério da Defesa. Porque o Ministério da Defesa, tal como está, está aquém daquilo que é a exigência da sociedade brasileira".
Comentário do Velhinho: Ué? Senhor presidente, mas o Ministério da Defesa foi criado em 1999 e desde o seu PRIMEIRO mandato ainda não tratou de estar desempenhando o papel esperado pela sociedade brasileira? O senhor só constata isso agora?
Presidente Lula, durante a posse do novo ministro da Defesa, Nelson Jobim: "Certamente ‘haverão’ [sic] aqueles que vão dizer que o companheiro Waldir está saindo por causa da crise aérea, da tragédia do avião da TAM, mas esse fato permitiu que você tomasse a decisão de pedir o afastamento".
Comentário do Velhinho: Ué? Mas, senhor presidente, se ele não está saindo por causa de uma crise mau administrada a mais de 10 meses, agravada por problemas na Infraero e ANAC, ambas subordinadas ao Ministério da Defesa, o senhor Waldir Pires deixa o cargo por que?
Presidente Lula, durante a posse do novo ministro da Defesa, Nelson Jobim: "Quando a gente troca um ministro, é como se a gente estivesse se despedindo de um filho e recebendo outro que volta de viagem".
Comentário do Velhinho: Se isso foi uma tentativa de fazer humor, o senhor presidente escolheu a oportunidade errada. Com todo o respeito senhor presidente, o senhor está no comando do BRASIL, governando para brasileiros e brasileiras, cidadãos e cidadãs, e Ministros de Estado não são exatamente seus filhos, muito menos nós, o Povo. Tenha dó, né?
Presidente Lula, durante a posse do novo ministro da Defesa, Nelson Jobim: "Precisamos não transformar tragédias como essa em disputas menores, condenar pessoas à pena de morte antes do julgamento, [antes] de saber concretamente o que aconteceu. Isso é da cultura brasileira: primeiro condena-se, depois, analisa-se".
Comentário do Velhinho: Cultura essa que o senhor presidente exercitou muito quando estava apenas na oposição e que, agora no governo, vira e mexe exercita contra aqueles que não o aplaudem, em especial com a imprensa.
Presidente Lula, durante a posse do novo ministro da Defesa, Nelson Jobim: "[Nelson Jobim] estava sem fazer nada, atrapalhando a esposa. Falei: está na hora de Waldir, que é um pouco mais velho, descansar e o Jobim trabalhar".
Comentário do Velhinho: Santa falta de oportunidade, senhor presidente. Uma semana se passou da tragédia da TAM e o senhor tenta fazer graça numa solenidade desse porte e, queira ou não, diretamente influênciada pelas consequências do acidente? Não é de admirar a prepotência de seus subordinados como a ministra Marta e o aspone, digo assessor Marco Aurélio e seu acólito Bruno.
Presidente Lula, durante a posse do novo ministro da Defesa, Nelson Jobim: "O Jobim terá a oportunidade que o Waldir, o Alencar e o Viegas, e possivelmente outros ministros, não tiveram. Nós precisamos de momentos de crise, precisamos sofrer internamente para tirar lições e fazer as coisas que precisam ser feitas".
Comentário do Velhinho: Os familiares das vítimas dos acidentes da GOL e da TAM viveram e vivem momentos de crise. Quais são as coisas que eles precisam fazer? O que a população precisa fazer? Votar melhor nas próximas eleições será um bom começo.
Presidente Lula, durante a posse do novo ministro da Defesa, Nelson Jobim: "A partir de agora, é fazer o que é preciso fazer, gastando o que precisar gastar, para dar tranqüilidade às famílias brasileiras. A única coisa que não podemos prometer é que não haverá mais acidentes. Mas haverá tranqüilidade".
Comentário do Velhinho: Profundo. Posso ficar tranquilo que acidentes continuarão a acontecer. É isso? Quem será que redige a fala do senhor presidente da República? Deveria ser dispensado por incompetência. Ou será que isso não foi redigido por ninguém e é da lavra do próprio presidente? Nesse caso...
Fonte das palavras presidenciais: G1.
Ô da boiada! Não pense que esquecemos...(3)
Ô da boiada! Não pense que esquecemos...(2)
Ô da boiada! Não pense que esquecemos...
Arnaldo Jabor em dois tempos...
O Velhinho posta dois tempos de Jabor. Um do jornal O Globo e outro da CBN.
Leiam, ouçam, reflitam.

1º Tempo:
O Globo - Segundo Caderno - 24/07/07 - Página 8
A síndrome da incompetência generalizada
Não há remédios para a doença administrativa que assola o país.
A sordidez do que acontece no Brasil é tal que até criticar o governo só serve para legitimá-lo. Este governo não merece nem uma critica à “luz da razão”. Tem de ser analisado como um exame de patologia clínica.
Estamos sendo infectados por uma doença histórica. Chama-se a “síndrome da incompetência generalizada”. Ou então, “falência múltipla dos órgãos públicos”.

Essa doença se espalha a partir do centro do Executivo, do topo da pirâmide de poder. Lula foi a bandeira de bolchevistas e intelectuais durante décadas. Era a esperança do velho populismo e dava um rosto operário concreto aos ideólogos. Controlado pelos comandados de Dirceu, acabou eleito pela habilidade realista de um publicitário.
Com a intervenção salvadora de Jefferson, Lula criou sua própria doutrina, que hoje se derrama sobre todos os aparelhos do Estado e se infiltra, pelas alianças, nos outros poderes. As características dessa doença que infecta o país são oriundas de uma vasta cepa de germes históricos e ideológicos.

Há uma cepa herdada (resistente a antibióticos) de um autoritarismo com ecos stalinistas, que se cruzou com o germe do sindicalismo oportunista, com o estafilococos do populismo pós-getulista, formando um novo tipo de micróbio que, com a baixa imunidade da democracia representativa, se espalha de forma profusa e letal.
Leia mais aqui.

2º Tempo:
A situação é tão grave que temos que ter pena do Brasil
Amarelando...
Vai ver a responsabilidade é do passageiro, do cidadão e do contribuinte...
Dispensa qualquer outro comentário. Quando serão as próximas eleições? Está na hora da faxina do fio ao pavio, de cabo a rabo.
O globo - 25/07/07 - Página 15
O jogo de empurra-empurra
Os dois piores acidentes da história da aviação civil brasileira, greve de controladores, panes no sistema de controle do tráfego aéreo, atrasos e cancelamentos de vôo, longas filas, desespero e muita irritação. Esse é o resultado do apagão aéreo brasileiro que começou a se evidenciar há cerca de dez meses, quando um jato Legacy colidiu com um Boeing da Gol. No acidente morreram 154 pessoas. Desde então, o que se seguiu foi um jogo de empurra-empurra das autoridades brasileiras, na tentativa de se isentarem de qualquer responsabilidade pelo caos instalado nos aeroportos, que afeta a economia brasileira e põe em risco a segurança de mais de cem milhões de passageiros que cruzam por ano o céu do país
PRESIDENTE LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA, responsável por garantir a segurança a todos os brasileiros e chefe de todos os responsáveis pelas políticas do setor aéreo: "Não se pode condenar ou absolver quem quer que seja com base em opiniões apressadas. Não se deve abandonar nenhuma linha de investigação por antecipação" (20 julho, três dias depois do acidente da TAM)
WALDIR PIRES, MINISTRO DA DEFESA, chefe das Forças Armadas, inclusive da Aeronáutica, e presidente do Conselho de Aviação Civil (Conac), responsável pela formulação da política nacional de aviação civil: "O ministro da Defesa não é um administrador do transporte aéreo" (20 de julho de 2007)
BRIGADEIRO JUNITI SAITO, COMANDANTE DA AERONÁUTICA, que tem entre suas atribuições prover a segurança da navegação aérea: "A solução é técnica. Nós precisamos formar mais controladores para abrir outros setores quando o tráfego estiver congestionado, pois nós temos bons equipamentos, mas existe uma absoluta falta de controladores" (11 de abril de 2007)
MILTON ZUANAZZI, PRESIDENTE DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL (ANAC), que tem como atribuição regular e fiscalizar os serviços aéreos, expedir regras sobre segurança aeroportuária e fiscalizar aeronaves civis com o objetivo de assegurar o cumprimenro de normas de segurança de vôo: "A lei que criou a Anac não atribuiu a nós a fiscalização do espaço aéreo" (12 de dezembro de 2006)
DENISE ABREU, DIRETORA DA ANAC: "O acidente é o acidente, o sistema aéreo é o sistema aéreo" (22 de julho de 2007)
BRIGADEIRO JOSÉ CARLOS PEREIRA, PRESIDENTE DA INFRAERO, que tem a missão de garantir segurança à infra-estrutura aeroportuária: "Garanto que a Infraero não teve nada a ver com o acidente (com o avião da TAM). Nada a ver. A investigação vai dizer. Eu assisti à fita e vi o que aconteceu" (19 de julho de 2007)
JOSÉ ALENCAR, VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA E EX-MINISTRO DA DEFESA "A Anac não é responsável pela manutenção de um avião. Ela não fiscaliza a mecânica do avião. A companhia tem o departamento técnico que cuida da manutenção do avião" (20 de julho de 2007)
CORONEL EDUARDO ANTONIO CARCAVALLO, DIRETOR DO CINDACTA 4, responsável pelo controle do tráfego aéreo de toda a Região Amazônica: "O que houve foi casual e a chance de voltar a acontecer é remotíssima, mas a Lei de Murphy existe. O que estamos fazendo é aperfeiçoar os sistemas de segurança" (23 de julho de 2007, ao comentar a pane elétrica no sistema do Cindacta 4)
Assuma, comandante! E suma! (3)
Q.E.D.
Em postagem abaixo, o Velhinho conclui com a seguinte frase: "Os comandados se miram no exemplo do líder. Será o caso?"
Parece que sim. Leiam o comentário abaixo.
O Globo - 25/07/07 - Página 7
A micromegalomania de Lula é contagiosa
ELIO GASPARI
O festival de besteiras com que o governo de Nosso Guia tem assolado o país é algo sem precedente, mas seria uma pobreza condená-lo apenas por dizer bobagens. O problema é bem outro, pior. Houve o “relaxa e goza” de Marta Suplicy, mas, antes dele, Lula anunciou, do alto da sua micromegalomania (caso raro de mania de pequena grandeza): “Quero prazo, dia e hora para anunciar o fim da crise dos aeroportos.” Na segunda-feira, o presidente da Infraero produziu uma nova marca, difícil de ser superada. A Federação Internacional dos Controladores de Vôo condenou a gestão da crise e sugeriu uma interferência externa.
Leia mais aqui.
Assuma, comandante! E suma! (2)
Mais uma "grande" realização do governo Lula...
Como que se veta a possibilidade de demissão de um presidente de um órgão regulador do governo? Ora, pergunta ao presidente da República, Lula.
E depois tente dormir com um zurro desse...
O Globo - 25/07/07 - Página 4
Autonomia em questão
Merval Pereira
A demissão do presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Milton Zuanazzi, a esta altura já estaria consumada se não fosse a impossibilidade legal de demiti-lo. O Palácio do Planalto e a oposição estão às voltas com a mesma questão: a mudança na Anac só poderá ser realizada se Zuanazzi e a sua diretoria pedirem demissão.
O senador Demóstenes Torres, do DEM, relator da CPI do Apagão, mandou fazer um estudo e descobriu que juridicamente é impossível destituir o presidente de qualquer agência reguladora e sua diretoria, que têm mandatos de três anos. Na lei que criava a Anac, Lula vetou a previsão de demissão do presidente, alegando estranhamente que a agência não tinha suas atribuições suficientemente claras, e portanto não havia como definir os casos em que cabia a destituição.
Havia quatro possibilidades previstas: renúncia, uma decisão judicial, e através de um processo disciplinar. A quarta era a demissão por uma decisão do Senado, que é quem sabatina e aprova os presidentes e diretores das agências reguladoras. O presidente não quis dar condições ao Senado de, no caso de omissão grave ou de ação criminosa, poder demitir. Somente o Presidente da República pode abrir um processo disciplinar, mas não por incapacidade ou má gestão.
Leia mais aqui.
O Mutley da ANAC: "medalha, medalha, medalha"...
Velhinho´s Believe it or not...(23)
Parodiando a marca registrada de Robert Rypley, o Velhinho começará a destacar frases, senão fantásticas, ao menos um tanto surreais.
Milton Zuanazzi, presidente da ANAC, em depoimento à CPI do Apagão Aéreo na Câmara: "Essa culpa não é da Anac. Estão culpando quem não tem culpa. Recebo todas as críticas com humildade, mas aquelas que não são justas, me sinto no direito de não aceitá-las"
Fonte: G1.
Foto: Radiobras/Pozzebom
Comentário do Velhinho
: Caro Mutley (*), não se trata de "culpa" da ANAC, mas de parcela da responsabilidade desse órgão, do qual o senhor está presidente. Siga o exemplo do ex-ministro Waldir Pires e também entregue o cargo, ou ao menos venha a público dizer as ações em pról da aviação civil que a ANAC realizou em sua gestão para justificar a "medalha, medalha, medalha" recebida.
(*) Mutley - personagem de desenho animado; cão aviador de Dick Vigarista que sempre buscava como recompensa por qualquer ato, receber medalhas; seu mote: "medalha, medalha, medalha".
Assuma, comandante! E suma!
Já vai tarde, mas é outro que "entregou o cargo"...
Vem do site do G1.
O ministro da Defesa, Waldir Pires, entregou o cargo ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva nesta quarta-feira (25) em reunião no Palácio do Planalto, informou uma fonte da Presidência. O cargo será ocupado pelo ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Nelson Jobim.
O presidente acertou a entrada de Nelson Jobim na terça-feira (24). A opção pelo ex-ministro da Justiça do governo Fernando Henrique Cardoso (1995-2002) vem sendo aventada desde meados do primeiro semestre deste ano. Lula considerava que Pires já estava desgastado e inoperante na condução da crise aérea.
Comentário do Velhinho: Nunca antes "neztepaiz" um presidente da República deixou de usar sua prerrogativa de destituir Ministros de Estado. Alguém se lembra de algum exonerado pela Presidência desde o primeiro mandato? Pois é. Líderes assumem as missões boas e as não tão boas. Será que as coisas não estariam diferentes, se a Presidência da República tivesse exonerado Waldir Pires há dez meses atrás?
Mas ainda falta "entregar o cargo", a ministra Marta, o assessor Marco Aurélio e seu acólito Bruno, e também o presidente da ANAC, Milton Zuanazzi. O Velhinho não acredita que o ocupante da Presidência da República tenha coragem para destituí-los. O que, em tese, indica concordância com o que disseram e fizeram.
Costuma também ser assim. Os comandados se miram no exemplo do líder.
Será o caso?

23 julho 2007

Para os familiares enlutados e aos que se importam, realmente está muito difícil esquecer...
Do site de Claudio Humberto...
Leiam o comentário e assistam ao vídeo. E não deixem a indignação fenecer...
Um governo top-top de linha
A montagem de um vídeo no Youtube é capaz de revoltar até o mais empedernido eleitor de Lula. Com a imagens do discurso dele, na sexta-feira (mais uma sexta-feira, toc, toc), o editor mostra a capacidade de um governo inerte, insensível e esquizofrênico. Dá para concluir o inevitável: o que o presidente Bush, ou o presidente francês Nicolas Sarcozy, ou até o porralouca venezuelano Hugo Chávez fariam, se seus assessores tripudiassem com uma colossal tragédia humana nos seus países, em público e sorridentes? Falta alma brasileira a esses debochados e, principamente, coragem a quem os comanda.
O Laurel e o Labéu...
1928: "Pouca saúde, muita saúva, os males do Brasil são". (Macunaíma, Mario de Andrade)
2007: Faltam responsáveis, sobra incompetência... é de admirar?
Velhinho´s Believe it or not...(22)
Parodiando a marca registrada de Robert Rypley, o Velhinho começará a destacar frases, senão fantásticas, ao menos um tanto surreais.
Denise Abreu, da Anac, mostrando que o pacote anunciado por Lula não vai adiantar nada: "O acidente não foi no ar. Então o acidente não tem nada a ver com o número de vôos em Congonhas. Vocês (jornalistas) estão confundindo. O acidente é o acidente. O sistema aéreo é o sistema aéreo".
Fonte e foto: Site da Revista Época.
Comentário do Velhinho: Pois é. A culpa é da imprensa. Essa senhora deve ter a competência equivalente a de aeronautas e, quem sabe até, de astronautas. É outra que o presidente da República deveria mandar para o Espaço...
O Velhinho avisou...
Ainda vão culpar a imprensa, querem apostar?
O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na sua fala de hoje, diz acreditar que todo julgamento prematuro é quase que irresponsável, se referindo à tragédia do vôo 3054. Faltam informações, dados mais precisos que podem estar nas caixas-pretas do avião.
Por óbvio que não será irresponsável e nem prematuro se julgar, politicamente, tanto a ministra Marta Suplicy com seu "relaxem e gozem", nem o ministro Guido Mantega com sua "parte do preço do sucesso da economia" e, mais recentemente, o assessor Marco Aurélio e o acólito Bruno, por seus gestos inadequados para o local onde se encontravam e para o momento traumático que imperava no País.
Assim sendo, resta perguntar ao senhor presidente: Quando essas pessoas serão exoneradas de seus cargos?
Um triste pódio...
Velhinho´s Believe it or not...(21)
Parodiando a marca registrada de Robert Rypley, o Velhinho começará a destacar frases, senão fantásticas, ao menos um tanto surreais.
Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, hoje, sobre o que espera do povo brasileiro no caso da tragédia com o acidente do vôo 3054 da TAM: "A melhor coisa que nós temos de ter é a prudência para investigar corretamente ao invés de ficarmos fazendo ilações, culpando alguém ou absolvendo alguém. É preciso que a gente tenha apenas a prudência de investigar corretamente com uma seriedade que uma investigação desse porte merece".
Comentário do Velhinho: A melhor coisa que o governo pode e deve fazer, senhor presidente, é investigar e dar transparência para a investigação, através de seus órgãos competentes e especializados. Toda investigação deve ser séria, caso contrário deixa de ser investigação para se transformar em qualquer coisa fantasiosa. Falar em investigação séria ou é redundância ou é admitir que o conhecimento da existência investigações que não são ou foram sérias. Já a população tem de se mostrar solidária com os familiares das vítimas e questionar nossos governantes e empresas aéreas sobre todas as dúvidas que houverem acerca as causas desse acidente. Isso, senhor presidente, se chama CIDADANIA.
Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, hoje, sobre o que espera dos familiares das vítimas do acidente com o vôo 3054 da TAM: "Eu queria pedir para as famílias apenas isso: muita força, muita fé em Deus porque eu sei o que vocês estão passando e eu sei o sofrimento".
Comentário do Velhinho: Correndo o risco de estar enganado, senhor presidente, creio que o senhor não sabe o que os familiares das vítimas dessa tragédia estão passando, pelo simples motivo de que nem a senhora sua mãe, nem a senhora sua esposa e nem os seus filhos ou os seus irmãos estavam na lista de passageiros do vôo 3054. Simples assim. Só saberemos o sofrimento do outro, se passamos exatamente pela mesma experiência que o outro, o que não é o caso. Concordo com suas palavras de que os familiares das vítimas devem encontrar força na Fé, quaisquer que forem suas religiões. Resta confiar na competência divina, porque do lado de cá faltam responsáveis e sobra incompetência.

22 julho 2007

E assim serão lembrados...
O poder muda as pessoas...
Nunca, na história deste País, um governo foi tão reativo...
Reciprocidade...
É uma condição de soberania interessante.
A Venezuela e seu ditador, ãhn, presidente, ãhn, caudilho, enfim, o Chávez aquele, tem o direito de expulsar estrangeiros que falem mal do país.
O Brasil deveria agir com reciprocidade e não só expulsar, mas impedir a entrada de estrangeiros que falem mal de nossa Pátria ou de nossas Instituições, como o Congresso Nacional.
Seria muito bom se o senhor Chávez nunca mais puser os seus pés e língua suja por estas bandas. Vai que a doença seja contagiosa...

Hugo Chávez ameaça expulsar estrangeiros que falem mal do país
CARACAS - O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, disse que vai expulsar do país todos os estrangeiros que falem mal do governo. A declaração foi dada ontem, durante o seu programa dominical, "Alô, Presidente", transmitido por cadeia de rádio e televisão. "Estrangeiro que venha ao nosso país denegrir a imagem de um governo livre, democrático e legítimo, deve, com todo o respeito, ser levado ao aeroporto, com suas malas, e ser convidado a ir embora da Venezuela", disse Chávez, sem esclarecer, porém, se a sua ameaça incluía os correspondentes estrangeiros que trabalham no país.
Senhor presidente Lula, quando serão destituídos o senhor Marco Aurélio Garcia e seu acólito?




Tem coisas que a gente não esquece...