Você pode denunciar crimes de PRECONCEITO RELIGIOSO no Rio de Janeiro

Você sofre agressão, perseguição, coação ou qualquer ameaça por motivo religioso?

Denuncie através do site http://www.policiacivil.rj.gov.br na aba "DENÚNCIA"

Não é preciso se identificar!

A Constituição da República Federativa do Brasil determina, em seu Art. 5º, inciso VI: "É inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e suas liturgias"

Seja Cidadão, defendendo seus direitos! Denuncie crimes de preconceito religioso!

Você também é uma vítima da CORRUPÇÃO!
Lembre-se disso nas próximas eleições...

22 fevereiro 2007

Iku veio e os transformou em ancestrais...
O Axé de Olodumaré se manifesta incessantemente no movimento da transformação, no nascer e morrer.
Somos o que somos por conta de nossos atos, mas nossa própria existência tem dependência direta com nossa ancestralidade. Um dia nos tornaremos ancestrais para nossa descendência.
Nestes últimos dias duas figuras marcantes, seja para a Umbanda, seja para o Candomblé, se tornaram ancestrais.
Que assim sejam lembrados e amparados na Espiritualidade.
Viemos do barro e ao barro retornaremos...

IKU
Após Oduduwa terminar a criação da terra, por incumbência de Olodumare, já que Oxalá por descumprir os preceitos necessários esteve sonolento. Este despertando, foi a Olorum e recebeu nova tarefa: a de criar os habitantes do novo mundo.
Após estudar qual seria o material mais apropriado para a confecção dos corpos, Oxalá chegou a conclusão de que o barro (amon) seria o melhor dos elementos.
Incumbiu então Exu de pegar esse material, visto que tinha a fama de conseguir tudo o que quisesse. Deu-lhe uma sacola e exu partiu para o Aye.

Tempo depois retorna Exu com a bolsa vazia e indagado por Oxalá declarou que ao tentar retirar a lama, a terra chorou e ele ficando com pena, resolveu voltar deixando que um outro cumprisse a tarefa.
Oxalá então, chamou Ogun a sua presença e dando-lhe a bolsa viu o partir com
grande pressa.
Porém Ogun também voltou com a sacola vazia, explicando que ficara penalizado ao ver que a terra chorava quando tentava arrancar-lhe um pouco de barro.
Um a um Oxalá incumbiu os orixás de tal tarefa, sendo que ao final nenhum teve sucesso, voltando com as mãos vazias.
Finalmente Oxalá chamou Iku ( a morte) e deu-lhe a tarefa.

Iku ao começar a tirar o barro, viu que a terra chorava, mas não se apiedou e continuou a cavar e retornou com a sacola cheia para Oxalá.
Com o material necessário o Orixá fun fun, moldou os corpos e plantou uma árvore para cada um, para dar continuidade ao processo de respiração insuflado por Olodumare.
E disse a Iku que como fora ele quem retirara o material da terra, a ele caberia devolver em qualquer época que julgasse necessário, o material
primordial.
Por isso é que quando chega o tempo de devolver à terra o material retirado, é Iku quem vem entregar o corpo de volta a terra.
Fonte: Asese - O Reinicio da Vida - Altair T´Ogun


Toy Vodunnon Francelino de Shapanan

O SOUESP pede a palavra,

Salve irmãos e irmãs de fé,
Salve irmãos e irmãs do axé,

No último dia 19 de fevereiro de 2007 nos despedimos de Francelino de Shapanan.
Ícone no diálogo inter-religioso, Pai Francelino trabalhou incansavelmente para o crescimento e fortalecimento da cultura afro-brasileira ,plantando a semente da simpatia e respeito junto a todas as nações,seguimentos religiosos e principalmente junto às outras religiões.
Pai Francelino comandou a Casa das Minas Toya Jarina em Diadema - SP, foi presidente do INTECAB e da Federação dos Cultos Afro-Brasileiros de Diadema.
Peço agô,meus irmãos pois não tenho autoridade suficiente para escrever sobre este grandioso Pai que por vontade suprema nos deixou para viver a outra vida no Orun.Desta maneira compartilho com todos e todas suas próprias palavras publicadas no Informativo Tambor.

Salve,saravá, axé.

Marcelo N.Santos - SOUESP

"No dia 20 de janeiro, o tambor-de-mina reverencia e festeja Toy Lego Babicachu Xapanã., vodum senhor e dono da terra, do panteão de Odan.

Nesse mesmo dia, em 1964, fui iniciado nos mistérios dos voduns mina para essa divindade. Nasci, cresci e fiquei maduro. Tive que renunciar a muitas coisas, sofri humilhações, fui discriminado, mas não perdi minha fé nem traí minha opção religiosa, o tradicional tambor-de-mina.

Os anos foram se passando, e eu sempre tentando melhorar e me superar. Em janeiro de 1974, vim para o sudeste. Procurei ajudar muitos axés a progredirem, mas sempre busquei, antes de mais nada, ser aluno.

Em 1977, deixei o Rio de Janeiro e abri minha casa em São Paulo. Os voduns e encantados foram maravilhosos comigo: só me fizeram avançar. Passei então a me dedicar totalmente ás causas das diversas religiões afro-brasileiras, pensando sempre no plural. Ganhei muitos amigos em todo o Brasil e os tenho até hoje.

Tive a sorte de tem em minha vida criaturas especiais, sacerdotes maravilhosos; Mãe Dida de Ogum, Mãe Joana de Xapanã e Pai Jorge de Abe Manjá, que me guiaram pelos caminhos encantados do tambor e me fizeram prosperar espiritualmente mais e mais.

Em minha casa, fui brindado com vodúnsis fiéis e dedicados, e que continuam até hoje me ajudando muito. Ganhei um Pai pequeno, uma Mãe pequena, uma Mãe criadeira inigualáveis, e outros filhos a quem só tenho a agradecer, e que continuam tocando o nosso tambor-de-mina pelo Brasil afora. Recebi centenas de homenagens, diplomas, condecorações, títulos e Oyê: o de Balogun no Candomblé Keto de Babá Armando Akintundê e o de Arabaitan Nile Egbé Ibualamo no de Babá José Carlos de Ibualamo (keto). Fiz amigos católicos, budistas, islâmicos, espíritas, umbandistas, evangélicos, espiritualistas etc."

“....Sei que não progredi nem fiz nada sozinho. Continuarei pensando sempre no plural...”

Toy Vodunnon Daho Laila Francelino de Shapanan


Valdemiro Baiano.

(por Cléo Martins)

Anteontem levantei-me carregando o peso do mundo. O coração, feito
gangorra, a embalar progressivamente a inexplicável tristeza; o café
tinha gosto de nada. A noite chegou com seus pontos de interrogação.
Liguei o noticiário horrorizando- me com mais mortes; algumas,
durante o carnaval, provocadas por condutores irresponsáveis. As
Minas Gerais bateram o recorde: trinta e nove óbitos em acidentes de
veículos,
nas estradas.

A tevê também mostrou que, no interior mineiro, em Itambé Campo
Adentro,os cidadãos deixam as portas e janelas abertas. O último
crime ocorreu há nove anos; a cadeia jaz às traças, graças ao bom
Deus.

No meio de notícias sobre outra espetacular vitória da Beija Flor de
Nilópolis- a escola que há décadas revolucionara o carnaval- o
telefone disparou a tocar. Era o escritor Ogã Gilberto de Exu,
presidente da International Conference of Orisha and tradition e do
primeiro afoxé de Sampa, nascido em 1980, que abre o desfile das
escolas na terra da garoa.

Senti a solenidade na voz do amigo:a ventania antes do caos.
Compreendi meu sentimento de vazio premonitório ao ser informada da
morte do babalorixá Valdemiro de Xangô, na manhã daquela quarta de
cinzas: o responsável por introduzir no Rio, São Paulo e Curitiba
toda uma tradição cultural ioruba antes apenas vivenciada na Bahia e
Pernambuco.

Os baianos Valdemiro (Valdemiro Costa Pinto, com e, apesar de ser
chamado "Valdomiro") Joãozinho da Goméia e Bobó de Iansã- viraram a
cidade maravilhosa pelo avesso no início da década de 60. Na
condição de sacerdotes do sexo masculino, em um culto
predominantemente liderado por mulheres e, também, carnavalescos
vanguardeiros, compunham o "trio alegria" que, escandalizando
muitos, no carnaval vestia-se de baiana: saia, camisu, bata, torso,
balangandãs.

Valdemiro de Xangô- 77 anos, escuro, alto, rápido, imponente, filho
do finado Cristóvão de Ogum e de Mãe Menininha- foi o mais
importante babalorixá vivo de nossos tempos; situa-se dentre os
principais sacerdotes da diáspora. A trajetória de Valdemiro paira
muito além de dogmas religiosos. Antes de ele mudar-se para o Rio e
São Paulo, no final dos 1960, comida baiana (acarajé, abará,
vatapá,caruru) era ignorada pela maioria dos habitantes e vista com
olhos caipiras de desdém. Depois de Valdemiro- exímio cozinheiro e
pai-de-santo de centenas, talvez de milhares de pessoas- a comida da
Bahia passou a ser mais difundida e devidamente apreciada em todo
sudeste e sul do Brasil. As guloseimas dos terreiros pertencem a
diferentes divindades e fazem parte da religião de matriz iorubá
introduzida em São Paulo, nos referidos 1960, por Diniz de
Osun e
Valdemiro "Baiano". A maioria dos terreiros de São Paulo descendem
deste querido filho de Xangô, mais um porreta nos braços de Deus.
Importante o registro, minha gente, pois a memória patropi é prá lá
de tendenciosa e curtíssima.
_____

Cléo Martins, a Agbeni Xangô do Axé Opô Afonjá, é advogada e
escritora: agbeni@terra. com.br

13 fevereiro 2007

Revisão do ECA...

Maria Helena Rubinato Rodrigues de Souza elaborou uma petição para revisão do Estatuto da Criança e do Adolescente. É uma das mudanças necessárias, além de outras, no que concerne à governabilidade do País e da contrapartida de serviços que o Estado deixa de cumprir, embora os cidadãos se mantenham contribuindo através de uma pesada carga tributária.

Há muito a ser feito, mas nossos governantes somente começarão a se mexer se realmente houver manifestação do povo.

Eis a sua oportunidade de participar. Ou não.

Leia o texto abaixo e se concordar, clique aqui para incluir seu nome na petição. Ou não.

Democracia também é isto. Ou não?

Excelentíssimo Senhor Presidente do Senado Federal,
Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara dos Deputados.
Senhores:

Nós, cidadãos-eleitores revoltados com a escalada da violência em nossas cidades, estamos aqui para lhes pedir que se empenhem em modificar o Estatuto da Criança e do Adolescente e numa ampla revisão de nosso ultrapassado Código Penal.

Em nome de todas as vítimas que sofreram nas mãos de menores e em nome de vítimas futuras, é URGENTE que o menor sentenciado por crime hediondo, uma vez estabelecido que tinha conhecimento de seu crime, seja qual for sua idade, seja apenado como adulto, cumpra sentença em instituição adequada até atingir a maioridade e depois seja transferido para instituição de adultos, até cumprir a totalidade da pena a que foi sentenciado.

Outrossim, é vital que nosso Código Penal seja revisto e reformulado, para que haja maior rigor nas sentenças. Crimes hediondos como seqüestro, estupro e homicídio, devem ser punidos com penas mais longas, a serem cumpridas integralmente, em regime fechado, sem direito a benesses. Chega de Direitos Humanos apenas para os criminosos.

É importantíssimo enfatizar que os estabelecimentos para menores de idade devem possibilitar sua instrução e o aprendizado de um ofício. Já as cadeias para adultos devem incluir trabalho e cursos técnicos.

A OAB deveria ser instada a verificar a situação de muitos apenados que já cumpriram suas penas e continuam detidos. Humanizar a situação dos criminosos comuns, porém tornar mais SEVERA a condição dos presos por crimes hediondos, infames em sua natureza, deve ser o objetivo.

Aos nossos REPRESENTANTES lembramos que a corrupção e a impunidade são matrizes desse descalabro que dilacera a família brasileira. Urge extirpar ambas.
Assim como EXIGIR do Executivo as verbas necessárias para a construção e manutenção de presídios decentes e bem administrados.

E que tenham em mente, SEMPRE, que ofende os bons quem poupa os maus.

The Revisão Estatuto da Criança e do Adolescente e Código Penal Petition to Senado e Câmara dos Deputados do Brasil was created by and written by Maria Helena Rubinato Rodrigues de Sousa (lenita@infolink.com.br). This petition is hosted here at www.PetitionOnline.com as a public service. There is no endorsement of this petition, express or implied, by Artifice, Inc. or our sponsors. For technical support please use our simple Petition Help form.
Enquanto se discutem modelos éticos de ocasião...












Enquanto não se discutir com seriedade Educação...
















Enquanto o nome de um partido político for mera decoração...

















Enquanto o governo continuar a soltar o leão na população...


















Enquanto a Justiça não passar de pastelão...





















Este pode ser o destino do futuro cidadão...















O Brasil, envergonhado, exclama "Até quando vai se aguentar essa situação!"
, e


















Chora e lamenta por tantas vidas perdidas, como a do menino João...

09 fevereiro 2007

Exatamente, o que fede?
Mais uma vez, Alcinéa Cavalcante está sendo alvo dos pruridos não tão democráticos do senador José Sarney, desta feita com o concurso da Polícia Federal de Macapá. Clique aqui.

Motivo? Um comentário de um leitor, no blog que ela mantém, em que emitia uma opinião particular e metafórica sobre a qualidade do odor supostamente emanado pela família do senador em questão.

Dizia o comentário: “A família de Sarney fede... fede muito.”

Particularmente, não conheço nem o senador, nem sua família. Não poderia opinar sobre eventuais odores emanados.

Mas há que se entender que a sensação olfativa pode mud
ar de pessoa para pessoa, de situação para situação, inclusive com relação a gostos. Quem não se lembra da fala de um ex-presidente que dizia preferir o cheiro de cavalo ao cheiro do povo?
O que efetivamente fede? Em geral, qualquer material em decomposição apresenta mau cheiro, fede. Excrementos, fezes, ou popularmente merda, também fede. Para sensibilidades diferentes, poderá parecer perfume ou simplesmente a exposição constante ao fedor desabilita a sensação de mau cheiro. Passa a ser um cheiro “normal”. Perguntem aos que trabalham em medicina legal, aos limpadores de fossas e esgotos. Aos que buscam alimentos nos lixões das grandes cidades.

O que metaforicamente fede? O desdém dos que se acham superiores aos outros, o preconceito de qualquer estirpe, a manipulação do povo e do dinheiro do povo em benefício próprio, o uso de cargos públicos para auferir ganhos pessoais, sejam políticos ou financeiros, o descaso com a população no dia-a-dia de um mandato e a fala populista de caça ao voto; o uso do poder econômico e político contra quem divulga fatos ou opiniões, muitas vezes de forma insidiosa e perversa, o descaso com a realidade da maioria da população brasileira e com os recursos naturais do País; a Justiça que parece privilegiar aos que d
etém poder econômico, e por aí vai..., a relação é longa.
Um administrador com quem trabalhei dizia: “É fácil limpar a merda que se faz nas empresas. Difícil é eliminar o cheiro.”

Isso, imagino eu, deve valer também para os políticos.

A propósito, os pruridos não tão democráticos do senador José Sarney não são recentes.

A charge abaixo foi publicada no jornal A Tribuna do Norte, Natal-RN, em 1987.
Como vão os seus narizes?

Recado para a cidade de São Paulo: Alguém se importa?
Enquanto isso, entre os deuses... (II)
Enquanto isso, entre deuses...(I)
O que importa? Para quem importa?
No meio dos PAC e POC da vida, do renascimento do populismo festivo - com tendências ditatoriais - na América Latrina, digo, Latina, de deputados tomando posse sob o pito do Sr. Clodovil, de Rebelos e Chinaglias, de disputas sobre salários e benesses extravagantes num País onde boa parte da população se lasca para pagar impostos (caros impostos!), de mensaleiros e sanguessugas, de fantasmas que assombram por anistia de cassação, no meio de tanto adubo natural que a política nos fornece, duas coisas chamaram a atenção do Velhinho: A indignação de membros do Judiciário por se sentirem obrigados a (pasmem!) cumprir a Lei, submetendo-se a teste psicológico para obter porte de arma e o descontrole emocional do Prefeito de São Paulo ao agredir com atos e palavras um cidadão que protestava contra o governo municipal.
Por que chamou a atenção? Porque algumas pessoas neztepaís se sentem acima da Lei; porque qualquer membro do Judiciário é, antes de qualquer coisa, um cidadão como qualquer outro e deve se submeter à Lei; porque deveria se criar uma Lei, válida para qualquer cargo eletivo, em que uma pessoa só pode ser candidato se também se submeter a um teste psicológico, com periodicidade anual. Não importa se vereador, deputado estadual ou federal, prefeito, governador ou presidente da República, se o indivíduo não tem condições psicológicas de lidar com adversidades, pouca condição terá para participar adequadamente de algum cargo de representação popular.
Se o uso indevido de uma arma pode levar a morte ou ferimentos em alguém, ainda não se deram conta de que maus representantes, desses aí, eleitos pelo povo, usando indevidamente o poder que lhes é concedido podem levar à morte centenas ou milhares de pessoas durante a sua legislatura, simplesmente porque não solucionam os problemas de segurança pública, de falta de emprego, de saúde pública, de educação, de moradia, dessas coisinhas bestas que são direitos constitucionais do povo brasileiro.
Oras, mas o que isso importa? Quem se importa?
































08 fevereiro 2007

Tudo a ver... Extraido do jornal O Globo, 08/02/07, pág. 17

06 fevereiro 2007

Impressionante é como a humanidade AINDA existe!

05 fevereiro 2007

Ainda vão culpar a Terra, que não se adaptou às nossas necessidades...

O dia depois de amanhã?

Vocês devem ter visto o filme “The day aftet tomorrow”, de 2004, dirigido por Roland Emmerich.

A trama se refere ao aquecimento global, ao Relatório de Kioto, à inação de nações como os EUA e a um cataclismo mundial. A teoria é concorde com o alerta sobre o aquecimento global abaixo, cujo texto foi extraído do site do Estadão.

Entretanto, ao invés da humanidade “fritar”, no filme se prevê uma nova Era Glacial no hemisfério Norte. Por que isso? Porque o aquecimento maior se dá justamente naquele hemisfério e afeta, como é sabido, as calotas polares. Com o derretimento das calotas em aceleração constante, ano a ano, aumenta a quantidade de água doce no mar, provocando dessalinização e afetando as correntes marítimas que tem influência direta com o clima, em especial na formação de tempestades, ventos, furações. Questão de equilíbrio.

A Terra é um sistema que tende ao equilíbrio.

Vale rever o filme, só para imaginar mais uma possibilidade que pode estar batendo às nossas portas. Senão para nós, talvez para nossos filhos e netos. É o legado que nos foi passado e que passamos adiante.

Segundo os cientistas reais, é um tanto tarde demais para se evitar a reação da Natureza, mas ainda não seria tarde para se tentar evitar maiores danos, se a humanidade souber se adequar às mudanças climáticas que ocorrerão nas próximas décadas.

E talvez se amenizasse o processo de equilíbrio do planeta, que simplesmente está cuidando de si próprio, uma vez que a humanidade não o soube fazer.

Quem viver, verá... não é mesmo?

PARIS - O alerta sobre aquecimento global, emitido pelo principal comitê científico internacional encarregado de analisar o problema, é direto e brutal: "o aquecimento do sistema climático é inequívoco", a causa é "muito provavelmente" humana e o efeito "continuará pelos próximos séculos".

Na divulgação oficial de um relatório de 21 páginas sobre o que é o aquecimento global, e como ele ocorre - mas sem dizer ao mundo o que fazer a respeito - o Painel Intergovernamental sobre a Mudança Climática (IPCC) oferece uma visão sombria do estado atual do meio ambiente e faz previsões ainda mais preocupantes a respeito do futuro.

"O aquecimento do sistema climático é inequívoco, como agora é evidente, graças a obervações de elevações na temperatura global média do ar e dos oceanos, vasto derretimento do gelo e das neves, e elevação do nível médio do mar em escala global", diz o texto.

O presidente do painel, o cientista indiano Rajendra Pachauri, referiu-se ao relatório como "um documento muito impressionante, que avança vários passos em relação à pesquisa prévia". Uma importante cientista do governo dos Estados Unidos, Susan Solomon, declarou, durante o lançamento, que "não pode mais haver questão de que o aumento nos gases do efeito estufa é dominado pelas atividades humanas".

O relatório afirma que já se pode atribuir às emissões provocadas pelo homem os seguintes problemas: menor número de dias frios; noites mais quentes; ondas de calor letais; enchentes e chuvas pesadas, secas devastadoras e um aumento na força de tempestades e furacões, principalmente no Oceano Atlântico.

E se você acha que a situação já é ruim, os efeitos durante o século 21 "serão, muito provavelmente, maiores que os observados durante o século 20".

Leia mais aqui.

Dali já tinha noção...

Era tudo “de mentirinha”...

Provavelmente, esse tipo de ação acabará se estendendo para tesoureiros, “banqueiros”, “cascateiros” e outros eiros, aloprados ou não. Dizem que a história é feita pelo vendores. Ai dos vencidos. No caso, o povo brasileiro como um todo. Não duvidem se a data da aprovação dessa “anistia” também não seja revestida de simbologia. Bem que poderia ser em 1° de Abril!

Assessor de Lula garante apoio a pedido de anistia para Dirceu

Iniciativa, anunciada em reunião do Campo Majoritário, tem aprovação de Marco Aurélio Garcia

A operação de resgate do ex-ministro-chefe da Casa Civil e deputado cassado do PT José Dirceu ganhou ontem reforço importante da cúpula do governo Lula. Marco Aurélio Garcia, assessor especial para Assuntos Internacionais da Presidência da República, pregou publicamente anistia para o ex-ministro.

'Quando o projeto vier é claro que apóio', declarou Marco Aurélio, à saída do encontro promovido pelo Campo Majoritário, principal tendência do partido, em um hotel de luxo de São Roque, a 60 quilômetros de São Paulo.

'Se fui contra a cassação dele, como não posso ser favorável à anistia?', enfatizou o auxiliar direto de Lula.

Cassado a 1.º de dezembro de 2005, sob suspeita de envolvimento no esquema do mensalão, Dirceu perdeu os direitos políticos e ficou inelegível até 2015. O ex-ministro jamais aceitou a acusação. Também nunca escondeu sua ambição de logo voltar à Câmara.

Leia mais aqui.

Vida de "solteiros"...

Excertos do Site de Claudio Humberto, comentados...

''Não começa na segunda; eu não tenho pressa de fazer a reforma''

Presidente Lula sobre o anúncio do seu novo ministério.

Comentário do Velhinho: Segundo o Betinho, “quem tem fome, tem pressa”, o que poderia ser plagiado para os desempregados, aposentados, e para todos que ainda esperam alguma ação positiva do Estado, face o que se paga de impostos, taxas e contribuições. O Presidente não tem pressa, mas, o País tem pressa?

Vem aí o Partido do Lula

De saída do PTB, o ministro Walfrido dos Mares Guia (Turismo) articula um novo partido com a participação dos parlamentares insatisfeitos em suas atuais siglas, mas que não desejam abandonar a base de apoio ao governo, no Congresso. Ainda sem nome, Mares Guia chama a futura agremiação de ''PL''(Partido do Lula), que deve nascer já com porte médio, reunindo uma bancada de vinte deputados federais e de pelo menos três senadores.

Sob encomenda

O próprio presidente Lula autorizou o ministro Walfrido dos Mares Guia a articular o novo partido. Que pode até se transformar em alternativa ao PT.

Lideranças

Além de Walfrido dos Mares Guia, articulam o ''Partido do Lula'' o senador João Claudino (PI) e o deputado Armando Monteiro (PE), ambos do PTB.

Comentário do Velhinho: Um dia houve o Fidelismo, apareceu o Chavismo e o Evismo (Ou Evoismo?); já tínhamos o Lulismo, pseudo disfarçado de Petismo e, pelo jeito, a máscara caiu definitivamente.

É... estamos bem arranjados.

Há exceções
No País de políticos de rabo preso, a Câmara mostra que em toda regra há exceção: aumentou a bancada de parlamentares de rabo solto.

Comentário do Velhinho: Por quanto tempo assim permanecerão?
Fidelidade...

04 fevereiro 2007

Manifesto da Amazônia - A quem se interessar...



Diante das perspectivas climáticas desta morada, deste planetinha azul, nave-mãe que abriga a humanidade, Ilê de todos nós, talvez seja oportuna a leitura do Manifesto abaixo. Aos que se interessarem e tiverem um tempo disponível, vale a visita ao site (o link estará mais abaixo) para ver imagens da Amazônia e ouvir a leitura do Manifesto nas vozes de Juca de Oliveira e Cristiana Torloni. No site existe um link para adesão ao Manifesto. Quem se interessar. pode ter o trabalho de copiar o texto do manifesto e repassar para sua rede de amizade (por favor, não repasse apenas, como se fosse uma mera corrente; imprima a sua marca pessoal e tenha o cuidado de colocar os endereços de sua rede de amizade como cópia oculta do e-mail).
Velhinho Rabugento


CARTA ABERTA DE ARTISTAS BRASILEIROS SOBRE A DEVASTAÇÃO DA AMAZÔNIA

Acabamos de comemorar o menor desmatamento da Floresta Amazônica dos últimos três anos: 17 mil quilômetros quadrados. É quase a metade da Holanda. Da área total já desmatamos 16%, o equivalente a duas vezes a Alemanha e três Estados de São Paulo. Não há motivo para comemorações. A Amazônia não é o pulmão do mundo, mas presta serviços ambientais importantíssimos ao Brasil e ao Planeta. Essa vastidão verde que se estende por mais de cinco milhões de quilômetros quadrados é um lençol térmico engendrado pela natureza para que os raios solares não atinjam o solo, propiciando a vida da mais exuberante floresta da terra e auxiliando na regulação da temperatura do Planeta.

Depois de tombada na sua pujança, estuprada por madeireiros sem escrúpulos, ateiam fogo às suas vestes de esmeralda dando passagem aos forasteiros que a humilham ao semear capim e soja nas cinzas de castanheiras centenárias. Apesar do extraordinário esforço de implantarmos unidades de conservação como alternativas de desenvolvimento sustentável, a devastação continua. Mesmo depois do sangue de Chico Mendes ter selado o pacto de harmonia homem/natureza, entre seringueiros e indígenas, mesmo depois da aliança dos povos da floresta “pelo direito de manter nossas florestas em pé, porque delas dependemos para viver”, mesmo depois de inúmeras sagas cheias de heroísmo, morte e paixão pela Amazônia, a devastação continua.

Como no passado, enxergamos a Floresta como um obstáculo ao progresso, como área a ser vencida e conquistada. Um imenso estoque de terras a se tornarem pastos pouco produtivos, campos de soja e espécies vegetais para combustíveis alternativos ou então uma fonte inesgotável de madeira, peixe, ouro, minerais e energia elétrica. Continuamos um povo irresponsável. O desmatamento e o incêndio são o símbolo da nossa incapacidade de compreender a delicadeza e a instabilidade do ecossistema amazônico e como tratá-lo.

Um país que tem 165.000 km2 de área desflorestada, abandonada ou semi-abandonada, pode dobrar a sua produção de grãos sem a necessidade de derrubar uma única árvore. É urgente que nos tornemos responsáveis pelo gerenciamento do que resta dos nossos valiosos recursos naturais.

Portanto, a nosso ver, como único procedimento cabível para desacelerar os efeitos quase irreversíveis da devastação, segundo o que determina o § 4º, do Artigo 225 da Constituição Federal, onde se lê:

"A Floresta Amazônica brasileira é patrimônio nacional, e sua utilização far-se-á, na forma da lei, dentro das condições que assegurem preservação do meio ambiente, inclusive quanto ao uso dos recursos naturais"

Deve-se implementar em níveis Federal, Estadual e Municipal a IMEDIATA PROIBIÇÃO DO DESMATAMENTO DA FLORESTA AMAZÔNICA BRASILEIRA. JÁ!

É hora de enxergarmos nossas árvores como monumentos de nossa cultura e história.

SOMOS UM POVO DA FLORESTA!

http://www.amazoniaparasempre.com.br/TPManifesto.html

02 fevereiro 2007

02 de Fevereiro - Dia em que se homenageia Yemanjá Yemanjá, Yemonjá, Kaiala, Makaia, Olokun em África, sincretizada no Brasil com N. Senhora dos Navegantes ou Nossa Senhora da Conceição da Praia. Um dos Orixá mais populares e reverenciados no Brasil. Odô Yá!
Faltam palavras...
São tantas "boas" notícias que mesmo recorrendo ao léxico não encontro as palavras adequadas. Ficam então as imagens de chargistas. Dizem que um imagem vale mais que mil palavras, não é? Tem de tudo um pouco. Aquecimento global, superchapolin, as novas môscas, digo, caras no Planalto, PAC, POC, PQP..., tudo fede!

Tem jeito, não...



















Superemotivo...










PAC, POC, TRAQUE...




















Dizem que representam o povo e que votamos neles...




















E agora, José?














Enquanto isso, no Brasil real...