Você pode denunciar crimes de PRECONCEITO RELIGIOSO no Rio de Janeiro

Você sofre agressão, perseguição, coação ou qualquer ameaça por motivo religioso?

Denuncie através do site http://www.policiacivil.rj.gov.br na aba "DENÚNCIA"

Não é preciso se identificar!

A Constituição da República Federativa do Brasil determina, em seu Art. 5º, inciso VI: "É inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e suas liturgias"

Seja Cidadão, defendendo seus direitos! Denuncie crimes de preconceito religioso!

Você também é uma vítima da CORRUPÇÃO!
Lembre-se disso nas próximas eleições...

24 agosto 2007

Se o sistema público de saúde não é bom para todos, resulta que não é bom...
Vejam vocês, Instituto Brasileiro de Defesa dos Deficientes (IBDD) quase acerta ao criticar a organização do PAN e do PARA-PAN que teria contratada uma empresa privada de saúde para o primeiro evento e não para o segundo.
O Velhinho não tira o mérito da discussão, mas o ponto importante não seria outro?
Qual a razão do sistema público de saúde não servir para os atletas que disputaram o PAN, mas servir, não só para os atletas do PARA-PAN, como principalmente para a MAIORIA DA POPULAÇÃO BRASILEIRA?
Será que o presidente da República estava enganado (ou não sabia?) sobre isso, quando afirmou que faltava pouco para o sistema de saúde ficar perfeito?
A matéria é da Tribuna da Imprensa online.
Parapan: entidade liga morte de atleta à discriminação
SÃO PAULO - Embora trágica, a morte do mesa-tenista argentino Carlos Maslup, de 48 anos, que disputou os Jogos Parapan-Americanos do Rio e conquistou uma medalha de bronze, não foi uma surpresa para as entidades que defendem os direitos dos deficientes físicos. "A discriminação, por parte dos organizadores, estava evidente, antes mesmo do início dos Jogos Parapan-Americanos", aponta Andrei Bastos, assessor da superintendência do Instituto Brasileiro de Defesa dos Deficientes (IBDD). "As falhas de estrutura e na assistência médica para os atletas são verdadeiros absurdos", opina.
Maslup morreu ontem, por falência múltipla de órgãos, depois de ter tido morte cerebral declarada na terça-feira, em decorrência de um acidente vascular cerebral ocorrido no domingo. Apesar de ter sofrido o derrame às 4 horas de domingo, o argentino só conseguiu ser atendido no Hospital Salgado Filho às 15 horas - depois de ter passado por outros dois hospitais, que não tinham vagas, ou não estavam equipados para atender a ocorrência.
"Ele passou por vários hospitais, dentro de uma viatura do Corpo de Bombeiros. Por si só, esse já seria um fato muito grave", observa Andrei Bastos. "Quando foi atendido, já respirava por aparelhos".
Em nota, o Comitê Organizador do Pan e do Parapan (Co-Rio) afirmou que "todos os procedimentos adotados no atendimento ao atleta estão de acordo com as normas determinadas para casos como este".
Ao contrário do que aconteceu nos Jogos Pan-Americanos, quando uma empresa de saúde privada prestou serviço para as delegações, os atletas portadores de necessidades especiais dependeram do sistema público para serem socorridos. Para o assessor do IBDD, somente a investigação dos contratos entre o Co-Rio (Comitê Organizador dos Jogos) e a empresa que deveria prestar a assistência médica poderá apurar as responsabilidades.
"O IBDD quer apurar de quem é a culpa, e se houve negligência", comenta. "Isso poderá ser feito por meio de uma CPI, instaurada na Câmara dos Vereadores do Rio, ou via Ministério Público", informa Bastos. "Também poderemos entrar com uma ação judicial".
Discriminação
O precário atendimento médico prestado ao argentino Carlos Maslup não foi o único problema dos Jogos Parapan-Americanos. "Houve outros sinais de discriminação em relação ao evento e aos participantes: algumas instalações não tinham acessos adequados para os deficientes", aponta Andrei Bastos. Também ocorreram problemas nas cerimônias de abertura e encerramento, que dificultaram a participação dos deficientes físicos, especialmente de cadeirantes.
O Co-Rio agradeceu o "reconhecimento manifestado pela esposa de Carlos Maslup, Claudia Maslup, pelo Cônsul Geral da Argentina no Rio de Janeiro, Luis Eugenio Bellando, pelo membro do Comitê Executivo do Comitê Paraolímpico Internacional, José Luis Campo, e pelo presidente do Comitê Paraolímpico das Américas, Andrew Parsons, que declararam publicamente a qualidade e a rapidez no atendimento prestado ao atleta desde o momento do acidente".
Os organizadores também informaram que o traslado do corpo até Mendoza, na Argentina, será custeado "com base no seguro de assistência funeral contratado pelo Comitê Organizador dos Jogos junto à Caixa Econômica Federal para todos os atletas e oficiais participantes do evento".

Nenhum comentário: