Você pode denunciar crimes de PRECONCEITO RELIGIOSO no Rio de Janeiro

Você sofre agressão, perseguição, coação ou qualquer ameaça por motivo religioso?

Denuncie através do site http://www.policiacivil.rj.gov.br na aba "DENÚNCIA"

Não é preciso se identificar!

A Constituição da República Federativa do Brasil determina, em seu Art. 5º, inciso VI: "É inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e suas liturgias"

Seja Cidadão, defendendo seus direitos! Denuncie crimes de preconceito religioso!

Você também é uma vítima da CORRUPÇÃO!
Lembre-se disso nas próximas eleições...

10 agosto 2007

O parâmetro "residência popular" e a malversação do dinheiro público...
Então o Velhinho achou interessante usar o parâmetro do valor de construção da residência popular como referencial do que poderia ser feito.
Claro que o caso relatado no Estadão online está sub judice. Mas havendo condenação, não seria o caso do Ministério Público pensar em como responsabilizar essas entidades sindicais pela não construção de cerca de 1447 residências populares?
Não se pode esquecer que tais construções, além de beneficiar empresas de construção, também representam emprego, salário.
Se os políticos, entidades sindicais, OGNS, empreiteiras e administradores de órgãos públicos quisessem, muito poderia ser feito para o Brasil, no que tange a contrapartida em prestação de serviços nas áreas da Saúde, Educação, Moradia e Transporte. Os governos não levam isso a sério, a população não cobra, o assistencialismo cala consciências e acomoda. Alguém estranha as denúncias de corrupção deste governo e dos anteriores?
A matéria do Estadão online diz:
Ajuda a desempregados está prejudicada há 4 anos
Em 2003, em meio a indícios de mau uso de verba, repasses foram suspensos por determinação do TCU
O atendimento a desempregados que procuram recolocação no mercado de trabalho está prejudicado desde 2003 no Estado de São Paulo. Naquele ano, em meio a indícios de mau uso de dinheiro, o Tribunal de Contas da União (TCU) suspendeu o repasse de verbas para entidades sindicais promoverem requalificação. Foram detectados problemas nos repasses feitos via a Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho como nos financiamentos diretos às entidades sindicais que usavam recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).
(...)
No acórdão, o TCU orienta o Ministério do Trabalho, responsável por gerir as verbas do FAT, a pedir que despesas e detalhes da execução dos cursos sejam novamente informados. Em resposta à Controladoria-Geral da União (CGU), que também investigava esses convênios, o ministério concluiu que houve um prejuízo da ordem de R$ 54,2 milhões no conjunto aplicado pelas centrais entre 2000 e 2002: R$ 9,9 milhões da CUT; R$ 700 mil da SDS; R$ 5,7 milhões da ICT e R$ 37,9 milhões da Força Sindical.
Leia a íntegra aqui.

Nenhum comentário: