Você pode denunciar crimes de PRECONCEITO RELIGIOSO no Rio de Janeiro

Você sofre agressão, perseguição, coação ou qualquer ameaça por motivo religioso?

Denuncie através do site http://www.policiacivil.rj.gov.br na aba "DENÚNCIA"

Não é preciso se identificar!

A Constituição da República Federativa do Brasil determina, em seu Art. 5º, inciso VI: "É inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e suas liturgias"

Seja Cidadão, defendendo seus direitos! Denuncie crimes de preconceito religioso!

Você também é uma vítima da CORRUPÇÃO!
Lembre-se disso nas próximas eleições...

28 agosto 2007

Joelmir mata a cobra e mostra o pau...
Pois é. O grande drama do Governo, para o contribuinte, para o cidadão, para o eleitor, é que projeta as dívidas futuras contando com o estupro da cloaca da galinha para tirar o ovo de ouro. No caso, os tributos pagos pelos contribuintes.
Como o planejamento é na base do "eu faço o que quero, mal e porcamente ou não, mas vocês tem de pagar" e não como deveria ser "vou ver quanto tenho para gastar, onde posso economizar e fazer o melhor que puder, explicando para vocês tim-tim por tim-tim daquilo que vocês pagam e eu gasto", é fácil entender o porque das barganhas e daqueles que se vendem ou compram, não pelo bem na Nação, mas pelo bem e ganhos de poder e benesses políticas auferidos para si.
A comentário é do site de Joelmir Beting, "Análise do Dia"
O APAGÃO DA SAÚDE
A prorrogação ou não da CPMF até 2001 continua encrencada no Congresso. Não bastasse a questão técnica, a matéria dá carona à questão política: virou moeda de barganha de favores e de cobranças na arena de partidos e de políticos com outras áreas de interessa das gulas e das sanhas do poder.
A coisa está agora no seguinte pé: o governo não abre mão da prorrogação. E prorrogação com casca e tudo - sem redução da alíquota de 0,38% e sem partilha do bolo anual com Estados e municípios. Bolo projetado para R$ 38 bilhões no Orçamento Geral da União de 2008, ainda em gestação no governo.
Ocorre que partidos da base aliada, caso do PDT, do PSB e do PCdoB, passaram a exigir tanto a divisão do bolo como a redução progressiva da alíquota - que baixaria a crista para 0,28% já em 2008 para 0,18% em 2009 e para 0,08% a partir de 2010 - e por tempo indeterminado.
Dono do cofre, o governo avisa que a CPMF de 2008 já está amarrada na proposta orçamentária que terá de depositar no Congresso, impreterivelmente, nesta próxima sexta-feira, 31 de agosto, como manda a Constituição.
E o que não está em discussão é a partilha da CPMF da Saúde com a Previdência e com programas federais de assistência social, incluído o Bolsa Família.
Criado para financiar exclusivamente a Saúde, a caneta do governo, desde FHC, retirou da Saúde 53% - mais da metade - da CPMF: começou a pipocar em todo o país o apagão da Saúde, que, a exemplo do apagão aéreo, também mata.
Sem mistério: se o custo da unidade médico-hospitalar-farmacológica da Saúde Pública é de 100, o SUS cara-de-pau só paga menos de 40 ou 30 desse custo comprovado de 100.
Menos da metade. Menos de um terço.
Vai daí que o atual apagão da saúde, caçapa cantada desde a década passada, virou um atentado a céu aberto aos direitos humanos dos pacientes e familiares e aos direitos humanos também dos médicos e auxiliares.

Nenhum comentário: